Universidade Europeia lança pós-graduação em gestão de pessoas e trabalho remoto

A Universidade Europeia criou uma pós-graduação em gestão de pessoas, equipas e trabalho remoto, para ajudar líderes e trabalhadores independentes a prepararem-se para o futuro do teletrabalho.

Num inquérito feito aos profissionais e às empresas, durante o mês de abril, a Universidade Europeia descobriu que há falta de preparação, por parte dos trabalhadores e dos líderes, para a realidade remota. Foi com o objetivo de ajudar a formar lideranças para o trabalho remoto que criou a pós-graduação em gestão de pessoas, equipas e trabalho remoto. O programa online tem uma duração de seis meses e destina-se a gestores de pessoas de qualquer área e a profissionais independentes. Arranca no início de dezembro.

“Não é uma abordagem ainda muito difundida no mercado, mas que do ponto de vista de evolução dos sistemas de gestão tem todo o sentido, porque cada vez mais chefias operacionais, líderes de equipa, em vários formatos organizacionais, começam a ter cada vez mais responsabilidade nestas matérias”, começa por explicar à Pessoas Isabel Moço, coordenadora do curso.

Aprender com casos reais

Nos módulos sobre business cases, os estudantes podem ter contacto com empresas que já implementaram políticas de trabalho remoto e um dos desafios do programa é desenvolver um projeto de implementação de trabalho remoto numa empresa real. O primeiro business case do programa será com a empresa PHC Software, revela a responsável.

O programa dura cerca de 26 semanas, em regime pós-laboral, e tem por base a metodologia project based learning. Divide-se em seminários, através de webinares, business cases e módulos. Para isso, os conteúdos serão lecionados pelos professores da formação executiva da universidade e por profissionais de cada área específica.

“Os conteúdos deste programa procuram ser muito transversais para dar resposta a várias realidades organizacionais e também funcionais“, assegura Isabel Moço. O curso divide-se em duas grandes matérias: processos dedicados à organização do trabalho remoto, tais como o planeamento e operacionalização do trabalho remoto, e à gestão, com temas relacionados com a cultura do trabalho remoto, a experiência do colaborador, a saúde física e mental, e até à análise de desempenho através das designadas KPI’s.

Isabel Moço reitera a urgência de formar as lideranças para o trabalho remoto, sempre com as pessoas no centro, pois “o remoto veio para ficar”, sublinha.

“Nem todas as pessoas têm perfil psicológico para o trabalho remoto. Não é só a atividade profissional poder acomodar esta modalidade, mas também a questão da liderança saber triangular as exigências do trabalho e o perfil de cada trabalhador para a gestão e manutenção das equipas“, conclui a coordenadora.

Para fundamentar o lançamento da pós-graduação e debater o futuro do trabalho remoto, a Universidade Europeia organiza esta quarta-feira o webinar “A verdade escondida do trabalho remoto”, onde estarão presentes Vanda Jesus, diretora executiva do Portugal Digital, o CEO da Egor, Afonso Carvalho e Gonçalo Hall, fundador da Remote Portugal.

Na primeira edição será lecionada apenas em português e as candidaturas já estão abertas no site oficial da universidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Universidade Europeia lança pós-graduação em gestão de pessoas e trabalho remoto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião