Siza Vieira apresenta queixa-crime pela prática de denúncia caluniosa. Em causa o negócio do hidrogénio

O ministro da Economia rejeita a prática de qualquer ilegalidade no negócio do hidrogénio e diz que pediu para ser ouvido pela PGR.

O Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), órgão do Ministério Público (MP) especializado no combate à criminalidade mais complexa, e a Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária (PJ), estão a investigar alguns membros do atual Governo. Sob investigação estão o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, e o secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, revela a revista Sábado esta quinta-feira.

Ao ECO, fonte da PGR confirmou “apenas a existência de um inquérito a correr termos no DCIAP. O mesmo encontra-se em investigação, não tem arguidos constituídos e está em segredo de Justiça”.

O ministro da Economia já reagiu e rejeitando qualquer ilegalidade no negócio do hidrogénio. Numa conferência de imprensa ao final do dia para apresentar o novo pacote de ajuda às empresas, o ministro da Economia foi confrontado com esta notícia e deixou para o final a resposta.

Disse que pediu esta quinta-feira à PGR para confirmar se existia algum processo em que ele fosse visado — coisa que a Procuradoria já confirmou. “Pedi também que fosse feita uma queixa-crime pela prática de denúncia caluniosa”, caso se confirme a existência, acrescentou.

O ministro da Economia afirmou que os “factos não têm qualquer fundamento” e lembrou que “não existe nenhuma decisão do Governo, apoio ou contrato celebrado sobre este tema” do hidrogénio.

Segundo a revista Sábado, em causa neste processo estarão indícios de tráfico de influência e corrupção, entre outros crimes económico-financeiros, relativos a apoios que o Estado vai dar a empresas privadas nos próximos anos por causa do hidrogénio. Em específico, estes governantes são suspeitos de favorecimento do consórcio estabelecido entre a EDP, Galp, REN, Martifer e a dinamarquesa Vestas para desenvolver o projeto de hidrogénio verde em Sines – H2Sines.

Siza fez questão de lembrar que o tema do hidrogénio não passa pelo seu ministério (mas sim pelo do Ambiente) e que só terá estado em reuniões públicas sobre o tema ou com outros governantes quando tal lhe foi solicitado pelos colegas de Governo.

“Associar a ideia de corrupção a um membro do Governo é repugnante”, “pessoalmente”, e “do ponto de vista da confiança nas instituições”, frisou ainda o ministro da Economia.

Terminou a dizer que solicitou à PGR que, se existisse um processo, “então que fosse ouvido para esclarecer os factos que nem sequer” sabe “quais são”.

(Notícia atualizada às 19h17)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza Vieira apresenta queixa-crime pela prática de denúncia caluniosa. Em causa o negócio do hidrogénio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião