Costa “absolutamente descansado” em relação a investigação do hidrogénio verde

  • Lusa
  • 6 Novembro 2020

O primeiro-ministro manifestou-se "absolutamente descansado" em relação à investigação "em aberto" sobre o projeto de hidrogénio verde, que envolve Pedro Siza Vieira e João Galamba.

O primeiro-ministro citou esta sexta-feira a Procuradoria-Geral da República (PGR) para afirmar que na investigação “em aberto” sobre o projeto de hidrogénio verde o ministro da Economia e o secretário de Estado da Energia não são suspeitos.

Esta posição foi transmitida por António Costa em entrevista à Antena 1, depois de ter sido confrontado com a notícia da revista Sábado, segundo a qual o ministro de Estado e da Economia, Pedro Siza Viera, e o secretário de Estado da Energia, João Galamba, estão a ser investigados num processo que averigua “indícios de tráfico de influências e de corrupção, entre outros crimes económico-financeiros”.

Na resposta, o primeiro-ministro manifestou-se “absolutamente descansado” em relação a esse caso, começando por declarar que confia nas instituições e no Estado de Direito. “Há um comunicado da PGR dizendo que há uma investigação em aberto, mas que não há sequer suspeitos. Portanto, não há uma investigação do ministro, nem investigação do secretário de Estado. As investigações pressupõem a existência de suspeitos”, declarou.

António Costa observou depois que o ministro de Estado e da Economia já avançou com uma queixa crime por ter sido alvo de uma “denúncia caluniosa”. “Acho que há uma coisa a que nos temos de habituar. Uma das grandes garantias que os portugueses podem ter é que, em Portugal, ninguém está acima da lei e a justiça é absolutamente independente. E, portanto, seja quem for, quando houver uma suspeita, a justiça investiga”, apontou.

Por esta via, de acordo com o primeiro-ministro, “eliminam-se dúvidas e não se anda com suspeições”. Mas, logo a seguir, deixou também um aviso: “Para que isso aconteça, a investigação deve decorrer nos sítios próprios, ou seja, nas instâncias judiciárias”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa “absolutamente descansado” em relação a investigação do hidrogénio verde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião