Competitividade do talento em Portugal ameaçada com fraca aposta na formação

Portugal desceu três lugares no ranking de talento mundial do IMD World Competitiveness Center. Uma das principais causas do pior resultado desde 2016 é a fraca aposta na formação e desenvolvimento.

Portugal desceu três lugares no ranking de talento mundial do IMD World Competitiveness Center, do 23º para o 26º lugar. É o pior resultado desde 2016. Entre as principais causas, está a fraca classificação no indicador de investimento de desenvolvimento, principalmente pela falta de investimento das empresas no desenvolvimento dos seus colaboradores.

O ranking avalia o desenvolvimento, a atração e a retenção de capital humano em 63 países, com base em três critérios: “investimento e desenvolvimento”, que avalia os recursos destinados a cultivar uma força de trabalho local; a “atratividade”, ou seja, a capacidade do país para atrair talento estrangeiro e reter o talento local, e a “preparação”, que avalia a qualidade de habilitações e competências disponíveis entre os talentos do país.

E é a Suíça, que lidera o ranking, seguida pela Dinamarca e Luxemburgo.

A queda de Portugal no ranking justifica-se, sobretudo, pela descida no indicador “investimento e desenvolvimento”, (a mais significativa), com a queda de nove posições do 13.º para o 22.º lugar, principalmente devido à baixa pontuação no indicador que diz respeito à formação dos colaboradores.

Já no critério “atratividade“, Portugal desce da 32.º para a 33.º posição, devido à baixa classificação nos critérios de “justiça”, “motivação dos colaboradores” e “saída de pessoas com boa formação e qualificação”, a designada “fuga de cérebros”.

“Se, por um lado, temos uma população ativa mais competente e preparada, por outro, temos empresas que não lhes estão a proporcionar as ferramentas necessárias para prosperar. E tudo isso tem um claro efeito na atração e retenção de talento no nosso país, pois se não criarmos mais oportunidades ao longo das várias etapas da vida profissional, nunca poderemos ser competitivos globalmente, nem preservar o nosso talento”, sublinha Ramon O’Callaghan, dean da Porto Business School, parceira exclusiva do IMD para Portugal na elaboração do ranking.

Se, por um lado, temos uma população ativa mais competente e preparada, por outro, temos empresas que não lhes estão a proporcionar as ferramentas necessárias para prosperar. E tudo isso tem um claro efeito na atração e retenção de talento no nosso país.

Ramon O’Callaghan

Dean da Porto Business School

Por outro lado, Portugal subiu três posições no indicador “preparação”, motivada pela boa pontuação em “management education” e “competências linguísticas”, o que demonstra que a população ativa portuguesa tem cada vez mais as competências necessárias para corresponder adequadamente às necessidades e exigências atuais das empresas. Portugal destaca-se ganha pontos pela forte representação da força de trabalho do sexo feminino (49,3%), relativamente à força laboral total.

Portugal registou o melhor resultado em 2018, quando conseguiu o 17.º lugar e desde então os resultados têm vindo a piorar.

Educação e mobilidade, os trunfos da Europa

Oito dos países que lideram o top 10 do ranking são europeus, resultado da “excelente educação” e “boa mobilidade”, refere o relatório. A Suíça surge em primeiro lugar pelo quarto ano consecutivo, seguindo-se a Dinamarca, que se destaca pelo seu bom desempenho geral. A novidade surge no terceiro lugar, onde Luxemburgo substitui o lugar ocupado pela Suécia em 2019. De acordo o relatório, a subida para o pódio deve-se ao progresso consistente do país ao longo dos últimos cinco anos, em particular no investimento e desenvolvimento de talento.

Suíça distingue-se pelo sistema de educação, a elevada qualificação dos estudantes à entrada na universidade e aos salários atrativos para talento estrangeiro.

No entanto, as mudanças políticas, como é o caso do Brexit no Reino Unido, e a crise trazida pela pandemia, estão a ter impacto na competitividade de talento. O Reino Unido desceu até ao 23.º lugar, ficando atrás de países como a Alemanha (11.º), Bélgica (16.º) ou Irlanda (18.º). A crise está ainda a ter efeitos em países que se apoiam fortemente no talento estrangeiro, como é o caso de países como Singapura, Austrália e EUA.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Competitividade do talento em Portugal ameaçada com fraca aposta na formação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião