Estudantes universitários formam-se em direito e gestão. Tecnologias atraem poucas mulheres

Os 4 milhões de jovens europeus que concluíram o ensino superior em 2018 formaram-se na maioria em cursos de direito, negócios e administração.

Em 2018, quatro milhões de estudantes concluíram o ensino superior na União Europeia. Destes, quase um quarto terminou os estudos em cursos na área de negócios, administração e direito, revelam os dados do Eurostat publicados esta terça-feira, a propósito do Dia Internacional do Estudante, que se assinala a 17 de novembro. Na lista das áreas de estudo mais populares entre os alunos europeus, seguem-se os cursos de engenharia, saúde e bem-estar e educação. Do total de jovens graduados, mais de metade eram mulheres (57,7%).

A seguir à educação, a lista dos cursos mais escolhidos inclui ainda as artes e humanidades e, por ordem decrescente, os cursos de ciências sociais, informação e jornalismo, ciências naturais, matemática e estatística, serviços, tecnologias da informação e comunicação (TICS), agricultura e veterinária e outros.

Em Portugal, 79.800 jovens concluíram o ensino superior em 2018, revela o relatório. Destes, 16.200 formou-se em cursos de negócios, administração e direito, seguidos pelas engenharias com 15.600 alunos formados.

Na UE, os cursos de negócios, administração e direito são também particularmente populares em França, Chipre e Luxemburgo, e têm pouca popularidade entre os alunos da Suécia, Itália, Finlândia e Espanha.

No que diz respeito aos cursos de engenharia, manufatura e construção, Portugal destaca-se na lista dos países onde estes cursos são mais comuns, ao lado de países como a Lituânia, Áustria e a Alemanha.

Os cursos de tecnologias de informação são os que continuam a ter uma menor representação feminina, sendo que só 1% de alunos graduados em 2018 eram mulheres. Por outro lado, seguindo a tendência das últimas décadas, nos cursos de saúde e bem-estar, apenas 3,5% eram homens.

A formação em negócios, administração e direito atrai mais mulheres do que homens, revela o Eurostat. 10,9% de todos os alunos europeus que concluíram o ensino superior eram homens, formados em cursos de engenharia, manufatura e construção, com apenas 4,3% eram mulheres.

Na Europa, o país com mais alunos formados no ensino superior é França, que registou 796.000 jovens graduados em 2018, à frente de países como a Alemanha (565.000), Polónia (470.000) e a vizinha Espanha (461.000).

Este ano, o número de alunos a candidatarem-se ao ensino superior aumentou 15% em relação ao ano passado, com 52.963 estudantes admitidos este ano no ensino superior público.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estudantes universitários formam-se em direito e gestão. Tecnologias atraem poucas mulheres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião