Estudantes universitários formam-se em direito e gestão. Tecnologias atraem poucas mulheres

Os 4 milhões de jovens europeus que concluíram o ensino superior em 2018 formaram-se na maioria em cursos de direito, negócios e administração.

Em 2018, quatro milhões de estudantes concluíram o ensino superior na União Europeia. Destes, quase um quarto terminou os estudos em cursos na área de negócios, administração e direito, revelam os dados do Eurostat publicados esta terça-feira, a propósito do Dia Internacional do Estudante, que se assinala a 17 de novembro. Na lista das áreas de estudo mais populares entre os alunos europeus, seguem-se os cursos de engenharia, saúde e bem-estar e educação. Do total de jovens graduados, mais de metade eram mulheres (57,7%).

A seguir à educação, a lista dos cursos mais escolhidos inclui ainda as artes e humanidades e, por ordem decrescente, os cursos de ciências sociais, informação e jornalismo, ciências naturais, matemática e estatística, serviços, tecnologias da informação e comunicação (TICS), agricultura e veterinária e outros.

Em Portugal, 79.800 jovens concluíram o ensino superior em 2018, revela o relatório. Destes, 16.200 formou-se em cursos de negócios, administração e direito, seguidos pelas engenharias com 15.600 alunos formados.

Na UE, os cursos de negócios, administração e direito são também particularmente populares em França, Chipre e Luxemburgo, e têm pouca popularidade entre os alunos da Suécia, Itália, Finlândia e Espanha.

No que diz respeito aos cursos de engenharia, manufatura e construção, Portugal destaca-se na lista dos países onde estes cursos são mais comuns, ao lado de países como a Lituânia, Áustria e a Alemanha.

Os cursos de tecnologias de informação são os que continuam a ter uma menor representação feminina, sendo que só 1% de alunos graduados em 2018 eram mulheres. Por outro lado, seguindo a tendência das últimas décadas, nos cursos de saúde e bem-estar, apenas 3,5% eram homens.

A formação em negócios, administração e direito atrai mais mulheres do que homens, revela o Eurostat. 10,9% de todos os alunos europeus que concluíram o ensino superior eram homens, formados em cursos de engenharia, manufatura e construção, com apenas 4,3% eram mulheres.

Na Europa, o país com mais alunos formados no ensino superior é França, que registou 796.000 jovens graduados em 2018, à frente de países como a Alemanha (565.000), Polónia (470.000) e a vizinha Espanha (461.000).

Este ano, o número de alunos a candidatarem-se ao ensino superior aumentou 15% em relação ao ano passado, com 52.963 estudantes admitidos este ano no ensino superior público.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estudantes universitários formam-se em direito e gestão. Tecnologias atraem poucas mulheres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião