Quase metade dos jovens europeus opta pelo ensino profissional

Em 2018, 8,5 milhões de jovens europeus frequentavam o ensino secundário em cursos profissionais, revela esta segunda-feira o Eurostat, a propósito da Semana Europeia do Ensino Profissional.

Em 2018, entre os 17,7 milhões de estudantes a frequentar o ensino secundário na União Europeia, quase metade (48%) estava inscrito no ensino vocacional, revelam os dados do Eurostat publicados esta segunda-feira, a propósito da Semana Europeia do Ensino Profissional, que decorre entre 9 e 13 de novembro. Esta percentagem representa 8,5 milhões de jovens entre os 14 e os 16 anos nesta modalidade de ensino, registando-se quase um equilíbrio de género: 58% são rapazes e 42% raparigas.

É a Finlândia que mais supera a média europeia: em 2018, tinha mais de 70% dos jovens no ensino profissional, seguindo-se a República Checa e Eslovénia (71%), Croácia (69%), Holanda, Áustria e Eslováquia (68%). No mesmo ano, Portugal ficou abaixo da média europeia, com 39,7% dos jovens do ensino secundário no ensino vocacional, na maioria do sexo masculino.

“Estes programas [de ensino vocacional] têm como objetivo preparar os jovens para o ensino superior e dar-lhes competências necessárias para um emprego, ou ambas. Os programas de educação profissional são pensados para dar aos alunos o conhecimento e o conjunto de competências específicas para uma determinada ocupação”, refere o Eurostat.

No gráfico, é evidente a variação da percentagem entre as várias regiões da UE. Em 2018, o pico registou-se na cidade de Severozápad, na República Checa, onde mais de 7 em cada 10 alunos do ensino secundário frequentava o ensino vocacional. No lado oposto da tabela, com a menor percentagem, surge o Chipre (17%).

Na maior parte dos países, registou-se uma maior proporção de jovens do sexo masculino neste tipo de ensino, à exceção da Bulgária, Irlanda ou Croácia, com mais raparigas a frequentar o ensino secundário vocacional.

Em 2017, quatro em cada dez alunos portugueses estudavam em cursos profissionais. Na educação básica, o ensino profissional perde terreno, com apenas 2,6% dos estudantes da UE a frequentar este tipo de ensino em 2018, referem também os dados do Eurostat.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quase metade dos jovens europeus opta pelo ensino profissional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião