Zurich em negociações para comprar negócio de P&C da MetLife por quatro mil milhões

De acordo com fontes próximas das negociações, o negócio poderá ser fechado por quatro mil milhões de dólares. Unidade de P&C foi responsável por 6% das receitas totais da MetLife.

A Zurich está em negociações para comprar a unidade de seguros de propriedade e acidentes (P&C) da norte-americana MetLife, de acordo com um comunicado da seguradora suíça, citado pelo Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês). Segundo fontes próximas das negociações consultadas pelo jornal britânico, esta operação poderá vir a ser fechada por quatro mil milhões de dólares (3,37 mil milhões de euros).

A MetLife é, sobretudo, especializada em seguros de vida, mas com uma longa história no negócio de P&C. No ano passado, esta unidade foi responsável por 6% das receitas totais da MetLife e por 14% dos ganhos ajustados. A MetLife foi a 18.ª maior seguradora de P&C dos Estados Unidos e, por sua vez, a subsidiária da Zurich do mesmo negócio ocupou a sétima posição.

Numa nota, a analista de seguros da Wells Fargo, Elyse Greenspan, afirmou que quatro mil milhões de dólares seria um montante equivalente a 14 vezes a estimativa de lucros do negócio em 2021. Assim, esta transação seria “favorável à MetLife… que nunca obteve o merecido crédito pelo negócio de P&C”, escreveu, citada pela FT.

No início do mês, numa conferência, o CEO da MetLife foi questionado sobre a possibilidade de vender o negócio de P&C, tendo respondido que esses seria “um bom negócio”, referindo que a unidade sempre foi “bem administrada” e “consistentemente lucrativa”. Além disso, Michel Khalaf acrescentou que “tem uma conexão estratégica importante com o negócio” da MetLife, recusando fazer mais comentários sobre uma possível venda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zurich em negociações para comprar negócio de P&C da MetLife por quatro mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião