“Reindustrialização faz-se todos os dias”, diz presidente da Bosch Portugal. E o futuro passa pela inteligência artificial

"A reindustrialização faz todos os dias. Todos os dias se inventa coisas novas e é isso é que vai fazer com que em 2030 as empresas sejam diferentes do que são hoje", diz Carlos Ribas.

Com “um modelo diferente da maioria das empresas”, a Bosch destaca-se não só pela dimensão a nível mundial, mas também pela sua forte componente de investigação. Ao todo, a empresa alemã emprega mais de 400 mil trabalhadores pelo mundo, dos quais mais de seis mil em Portugal. Nesse sentido, falar de reindustrialização passa também por falar desta empresa, com o presidente da filial em Portugal a garantir que esta se faz “todos os dias”.

A reindustrialização faz todos os dias. Todos os dias se cria, todos os dias se inventa coisas novas e isso é que vai fazer com que em 2030 as empresas sejam diferentes do que são hoje”, disse o presidente da Bosch Portugal, na conferência “Fábrica 2030”, organizada pelo ECO. Assim, Carlos Ribas nega que vá existir “um programa de reindustrialização até 2030”, já que todas as empresas vão continuar a criar, todos os dias, novos produtos e a investir.

Fábrica 2030 - Portugal e a Reindustrialização Europeia - 24NOV20
Carlos Ribas, presidente da Bosch PortugalHugo Amaral/ECO

Neste contexto, o responsável considera o que “aquilo que veio mudar o mundo” na última década não foi a digitalização, mas a conectividade. “Hoje tudo está ligado com tudo”, atira o responsável. Carlos Ribas antecipa que as “fábricas do futuro serão cada vez mais flexíveis e mais automatizadas”. E esta realidade, segundo o presidente da Bosch Portugal já está bem presente. “Hoje, a partir da fábrica de Braga consigo saber qual é o desempenho do meu colega na Malásia ou na China que está a usar o mesmo software que eu costumo usar, que foi desenvolvido fábrica de Braga em conjunto com a Universidade do Minho”, exemplificou.

“O jogo está a ser cada vez mais transparente e aberto, o que penso que vai ajudar muito neste equilíbrio de desenvolvimento a nível global”, assinala. E se é indiscutível que a Alemanha tem um dos sistemas tecnológicos mais desenvolvidos, Carlos Ribas acredita “que há muitas empresas em Portugal a fazerem o mesmo”. Além disso, o responsável adianta que os clientes querem “cada vez mais” produtos feitos à sua medida, pelo que a tecnologia terá um papel central na conceção de “peças únicas”.

Também a inteligência artificial terá um papel fundamental na indústria, permitindo “otimizar as cadeias de valor” e facilitar todos os processos, de modo a criar uma indústria “cada vez mais competitiva”. Nesse sentido, a Bosch a estima que “entre 2025 e 2030 não haverá nenhum processo ou produto que não seja concebido com inteligência artificial”.

Fábrica 2030 - Portugal e a Reindustrialização Europeia - 24NOV20
Carlos Ribas, presidente da Bosch PortugalHugo Amaral/ECO

Segundo Carlos Ribas esta mudança de paradigma vai fazer com que “as pessoas tenham um valor e um papel diferente nas empresas”. Não obstante, para esta evolução foi necessário houvesse uma aposta na investigação. Nesse sentido, o responsável acredita que “talento” sempre existiu, mas que “não estava desenvolvido”, já que as universidades “não tinham áreas suficientes para desenvolver o talento que hoje temos no mercado” .

Também a empresa alemã aposta fortemente na investigação, com mais 72 mil funcionários da empresa ligados a essa área e 125 centros de desenvolvimento no mundo. Destes, há 800 engenheiros espalhados pela três fábricas que a Bosch tem em Portugal, com várias parcerias a serem desenvolvidas em paralelo com as universidades portuguesas.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Reindustrialização faz-se todos os dias”, diz presidente da Bosch Portugal. E o futuro passa pela inteligência artificial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião