Marcelo diz se é candidato após intervenção sobre estado de emergência

O Presidente da República indicou estar a ser alvo de "várias pressões" para anunciar se é ou não candidato a um novo mandato. Anunciará a decisão após uma intervenção sobre o estado de emergência.

Marcelo Rebelo de Sousa está à espera de uma intervenção no quadro do estado de emergência para, depois, decidir e comunicar se é ou não candidato a um novo mandato. O Presidente da República tem discurso marcado sobre a renovação do estado de emergência para esta sexta-feira.

Questionado sobre quando anuncia uma eventual recandidatura, no final das cerimónias do 1 de dezembro, o chefe de Estado disse: “Tenho recebido várias pressões, de diversa natureza, e nas últimas semanas, mesmo quem recolha assinaturas e envie cartas. Mas a decisão é minha”, começou por dizer.

De seguida, acrescentou: “A decisão obedece a um objetivo: é esperar por um momento em que ainda devo intervir como Presidente da República no quadro do estado de emergência. Só depois disso é que sinto que devo tomar a decisão e comunicá-la aos portugueses”, reiterou.

O Presidente da República já marcou eleições Presidenciais para 24 de janeiro de 2021, especulando-se que se prepare para anunciar a recandidatura a Belém.

Transferência do SURE é “quota-parte do que contribuímos” para a UE

No dia em que se assinala a Restauração da Independência, o Presidente da República foi ainda confrontado com a transferência de uma primeira tranche do programa SURE, no valor de 3.000 milhões de euros, concluída esta terça-feira.

“Estes 3.000 milhões de euros são uma quota-parte daquilo que contribuímos para a União. Quando se pertence a uma União, dá-se e recebe-se. É uma primeira parcela, que todos os países receberam”, explicou.

“Ao longo dos anos, contribuímos. É justo que, num momento difícil, [Bruxelas] retribua o que os países deram”, concluiu.

O programa SURE serve para apoiar as empresas e o emprego nos Estados-membros da UE. A verba total é de 5.900 milhões de euros, que serão transferidos para Portugal em várias tranches.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo diz se é candidato após intervenção sobre estado de emergência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião