Empreendedores lançam “páginas amarelas” para negócios sustentáveis

Chama-se Peggada e é um guia online que contém desde lojas de roupa em segunda mão a workshops de detergentes ecológicos, em Lisboa. Promete ajudar aqueles que querem ter uma vida mais sustentável.

Foi um dos projetos finalistas do programa Women4Climate da Startup Lisboa e da Câmara Municipal de Lisboa, que juntou projetos de mulheres empreendedoras na área da sustentabilidade. Chama-se Peggada, ambiciona ser um guia online para uma vida mais sustentável e foi lançado por três jovens empreendedores: Marta Cerqueira, jornalista e uma ativista ambiental; Lígia Gomes, gestora de comunicação; e Hugo Nogueira, gestor de redes sociais.

Em comunicado, a marca explica que nasceu para facilitar a vida de todos aqueles que querem adotar um consumo mais sustentável, começando a tomar decisões mais conscientes nas diversas áreas do dia-a-dia. Na prática, trata-se de uma espécie de “páginas amarelas” para negócios sustentáveis.

Basta entrar no site e indicar o que procura: lojas a granel, hotéis, lojas ecológicas, lojas de roupa em segunda mão, restaurantes com preocupações ecológicas, workshops de detergentes ecológicos e outros eventos de sustentabilidade a decorrer em Lisboa.

“Por agora direcionamos o foco para Lisboa mas, em breve, prometemos chegar a todos os que querem mudar de hábitos, seja no Porto ou em Faro”, explica a marca em comunicado.

Negócios que se podem procurar e encontrar no site Pegada

  • Lojas a granel que combatem o desperdício alimentar e os plásticos
  • Lojas de roupa em segunda mão
  • Lojas ecológicas
  • Hotéis com o selo We Care e We Share, preocupados com a gestão dos resíduos, energia e água
  • Restaurantes que evitam o desperdício através de projetos como a Refood ou a Too Good Too Go e que compram produtos locais

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Empreendedores lançam “páginas amarelas” para negócios sustentáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião