“Bazuca” para o turismo ascende a seis mil milhões de euros. Metade é para capitalizar as empresas

O Governo apresenta esta sexta-feira o plano para reativar o turismo, cujo objetivo é alcançar em 2027 mais de 27 mil milhões de euros em receitas com o setor.

O Governo esteve nas últimas semanas a preparar um plano para reativar o turismo, que tem como principal objetivo alcançar em 2027 mais de 27 mil milhões de euros em receitas com o setor, uma meta já definida em 2017. Depois de um ano fortemente afetado pela pandemia, e com a recuperação a dar os primeiros passos este ano, o Executivo tem disponíveis mais de seis mil milhões de euros para investir neste plano.

“Esperamos em 2021 ultrapassar ligeiramente os números de 2020. Se mantivermos a nossa quota de mercado, em 2023 estaremos novamente nos 18 mil milhões de euros [em receitas turísticas]. Mas queremos acelerar a partir daí e assegurar que chegamos a 2027 com 27 mil milhões de euros [em receitas]. Achamos que isso é possível”, disse esta sexta-feira o ministro da Economia, durante a apresentação do Plano de Aceleração do Turismo.

Pedro Siza Vieira adiantou, assim, que este plano representa um “investimento de mais de seis mil milhões de euros para assegurar essa aceleração até 2027″. “Estas verbas não são europeias, nem principalmente europeias. O Banco de Fomento vai ter um papel essencial”, esclareceu.

Metade destes seis mil milhões será utilizada para resolver os problemas de capitalização das empresas. “O que vamos fazer terá maior incidência no setor do turismo. Há mais setores afetados, mas o turismo terá um apoio mais efetivo”, disse o ministro, estimando as necessidades do turismo no valor de três mil milhões de euros, parte disso por causa do fim das moratórias.

Contudo, Siza Vieira notou que estes três mil milhões de euros não são um valor fixo. “Responderemos à medida das necessidades”, disse, adiantando que o Governo tem de começar a “trabalhar nestas soluções nas próximas semanas, a tempo do final das moratórias no fim de setembro“.

Outra das medidas previstas no Plano de Aceleração do Turismo é o lançamento do IVAucher, que vai acontecer a 1 de junho, anunciou o ministro. “Temos feito um trabalho muito intenso nos últimos tempos. Não fazia sentido lançá-lo no primeiro trimestre [como estava previsto inicialmente], uma vez que perante o confinamento não seria útil. Mas estamos em condições de lançar agora no início de junho”, disse Pedro Siza Vieira.

Ainda entre as principais medidas, que contam com quatro pilares (apoiar as empresas, fomentar a segurança, gerar negócio e construir o futuro), destacam-se novas linhas de crédito, reforço de outras já existentes e campanhas de promoção do turismo.

“O impacto violento podia deitar muita coisa a perder, por isso fizemos um investimento muito importante para permitir que no momento em que se retomasse a atividade, tivéssemos a capacidade de a ela responder”, rematou o governante.

(Notícia atualizada às 11h15 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Bazuca” para o turismo ascende a seis mil milhões de euros. Metade é para capitalizar as empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião