Já pensou em fazer um “commuting” virtual? É benéfico para a saúde e pode aumentar produtividade

O tempo extra de viagens, poupado graças ao teletrabalho, está a ser utilizado para trabalhar mais, o que está a preocupar os especialistas. É preciso criar uma nova rotina de "commuting".

O tempo perdido nas deslocações diárias entre casa e o local de trabalho foi, para a generalidade dos profissionais, substituído pelo atravessar do quarto até ao escritório ou até à sala. Não há necessidade de enfrentar os transportes públicos em hora de ponta ou as manhãs de engarrafamento nas entradas e acabou o desgaste diário à procura por um lugar de estacionamento vago.

Esta deslocação até ao escritório, particularmente para quem vai de carro, acarreta uma série de efeitos nocivos para a saúde, nomeadamente o aumento dos níveis de açúcar no sangue e da tensão arterial, dores nas costas e problemas digestivos. Além disso, quem passam mais tempo dentro do carro para chegar ao trabalho é mais propenso à ansiedade e depressão, alertam os especialistas.

No entanto, a forma como os profissionais estão a substituir o habitual tempo gasto em “commuting” está a preocupar os especialistas. “É provável que a média de 4,3 horas por semana que poupou em deslocações faça parte de uma nova rotina: usar esse tempo extra para trabalhar”, alerta o World Economic Forum.

Os dados de um inquérito a mais de dez mil americanos, realizado por investigadores do VoxEu.org, dão conta dessa realidade: 35% dos trabalhadores de escritórios dos Estados Unidos da América (EUA) estão, de facto, a utilizar esse tempo para trabalhar.

Embora não seja do agrado muitos trabalhadores, o tempo passado nas deslocações entre o local de residência e o local de trabalho tem vantagens. Serve, muitas vezes, para definir o início e o fim do dia de trabalho. Por outro lado, de acordo com uma investigação liderada pela professora Francesca Gino, da Harvard Business School, em 2018, as pessoas que utilizam o tempo de deslocação para pensar nos seus planos para o dia são mais produtivas.

As deslocações ajudam ainda gastar mais calorias – com ganhos de saúde – e as ligações sociais são reforçadas, com momentos de interação num café ou nos transportes públicos, aponta ainda o World Economic Forum.

Criar novas rotinas, apostar num novo “commuting”

Ainda que o fim do teletrabalho obrigatório esteja para breve, muitas empresas já anunciaram que vão manter modelos híbridos, que combinam o teletrabalho e o trabalho presencial no escritório. Assim, nos dias em que trabalhar a partir de casa, “está na hora de construir novas rotinas”.

Como escreveu a professora Francesca Gino e a sua equipa, na investigação pré-Covid sobre as deslocações pendulares, os “rituais têm demonstrado produzir todo o tipo de benefícios, reduzem a nossa ansiedade antes de nos envolvermos em tarefas de alto desempenho, aumentam o nosso gozo da atividade em questão e até nos ajudam a recuperar mais rapidamente quando experimentamos falhas ou perdas”.

Estas são as dicas de alguns líderes para começar um novo ritual, uma espécie de “commuting virtual”, em alguns casos:

  • Tire partido das aplicações do seu telefone ou computador. Pode, por exemplo, juntar-se à meditação guiada do Headspace, umas das muitas aplicações que aumentaram significativamente a sua popularidade durante a pandemia. “Ninguém gosta das deslocações, exceto quando é daquelas em que se desliga, e essas transições são importantes”, disse o CEO da Microsoft, Satya Nadella, durante uma entrevista com a Financial Review na Austrália.

  • Planear o dia seguinte. “Antes de encerrar o estaminé, passo cerca de 15 minutos a planear o dia seguinte. Olho para a minha agenda e estabeleço a lista de afazeres do dia seguinte com base no tempo de trabalho que tenho. Depois identifico aquilo em que quero trabalhar primeiro e configuro o meu computador para essa tarefa, puxando ficheiros ou notas relevantes”, conta a career coach Phoebe Gavin.
  • Crie mecanismos para assinalar o início e o fim da jornada de trabalho. Há também quem sugira acender velas durante o dia de trabalho e apagá-las quando chega a hora de encerrar o computador. Pode, também, considerar a possibilidade de instituir iluminação noturna todos os dias à mesma hora para que saiba que deve afastar do email e das folhas de cálculo.
  • Dê um passeio, ande de bicicleta. O mais semelhante às deslocações pendulares será, no entanto, sair, todos os dias, para dar um passeio a pé ou de bicicleta. Servirá para descontrair e para simular a ida para o escritório ou para casa, definindo melhor o seu horário de entrada e saída.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Já pensou em fazer um “commuting” virtual? É benéfico para a saúde e pode aumentar produtividade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião