CVC já tem 25% da dona do Continente e nomeia dois administradores. Sonae encaixa 528 milhões

A Sonae e a CVC já concluíram a transação que deixa nas mãos de um fundo 25% da Sonae MC, a "holding" que detém insígnias como o Continente. CVC nomeia dois gestores para o "board" e Sonae nomeia um.

Negócio fechado. O fundo CVC já é dono de 24,99% da Sonae MC, a holding que controla insígnias como o Continente, Continente Modelo, MeuSuper, Wells, entre outras marcas. A transação com a Sonae foi “concluída” esta quarta-feira, anunciou o grupo Sonae num comunicado enviado à CMVM. O Conselho de Administração da empresa vai ficar maior.

A 31 de julho, um sábado, a Sonae anunciou ao mercado a venda de uma posição minoritária no capital da Sonae MC. Ao abrigo do acordo, a CVC paga à Sonae 528 milhões de euros por esta posição, operação que avalia a Sonae MC em até 2,4 mil milhões de euros, com um enterprise value superior a quatro mil milhões. Está ainda previsto “um pagamento contingente diferido de até 63 milhões de euros”, informou a Sonae na altura.

A venda desta posição na Sonae MC acontece depois de a Sonae ter lançado e falhado uma oferta pública de venda de ações que resultaria na dispersão de 21% do capital da empresa. A 11 de outubro de 2018, uma semana depois de o prospeto ter sido aprovado pela CMVM, a Sonae anunciou a desistência, justificando-se com “condições adversas nos mercados internacionais”. A maior “fatia” destinava-se a investidores institucionais.

CVC ganha lugares no board

Noutro comunicado, a Sonae MC informou o mercado de que foi deliberado, em assembleia-geral extraordinária, o “alargamento do número de membros do Conselho de Administração, de 9 para 12”. Os três lugares adicionais vão ser ocupados por João Nonell Günther Amaral (designado pela Sonae) e Jan Reinier Voûte e Pablo Costi Ruiz (designados pela CVC).

A restante composição do Conselho de Administração da Sonae MC mantém-se, com Cláudia Azevedo na presidência, seguindo-se Ângelo Paupério, João Dolores, António Menezes Soares Ricardo Monteiro, Luís Moutinho, Rui de Almeida, Isabel Barros e José Fortunato.

Após esta operação, a Sonae continua a ter uma posição de controlo na Sonae MC, mas estabelece, deste modo, uma “parceria estratégica” com um “investidor mundial de referência que partilha da mesma visão para a Sonae MC e apoia o seu plano de crescimento”. Segundo a Sonae, a CVC Strategic Opportunities, com origens no Luxemburgo, “está a investir na Sonae MC com um horizonte de investimento de longo prazo”.

O portefólio da Sonae MC é extenso: além do Continente, detém insígnias como Continente Modelo, Continente Bom Dia, MeuSuper, Wells, Dr.Wells, Arenal, Go Natural, BAGGA, Note, Zu, Maxmat, HomeStory e Washy. A estas juntam-se ainda uma série de marcas do segmento de grande consumo: Fácil & Bom, Continente Seleção, Gutbier, Kasa, MakeNotes, MyLabel, Seguros Continente, Skinerie, Yämmi e Yes!Diet.

A Sonae MC tem ainda perto de mil lojas, que opera diretamente. Nos últimos 12 meses, gerou um EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) subjacente de 527 milhões de euros e receitas de 5,2 mil milhões de euros.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h24)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CVC já tem 25% da dona do Continente e nomeia dois administradores. Sonae encaixa 528 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião