Nos lucra mais 35% no trimestre. Foram 41 milhões de euros

A Nos viu os lucros do primeiro trimestre subirem 35%, para 41,1 milhões. Nesse período, ganhou clientes e acelerou o 5G, enquanto o negócio do cinema recuperou, mas ainda está abaixo de 2019.

O resultado líquido da Nos NOS 0,84% no primeiro trimestre cresceu 34,6% em termos homólogos, para 41,1 milhões de euros, o que compara com os lucros de 30,5 milhões que conseguiu registar nos primeiros três meses de 2021, revelou a empresa esta terça-feira.

Este resultado foi “impulsionado por uma combinação de variações positivas e negativas, nomeadamente um aumento do EBITDA [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações], amortizações mais elevadas resultantes, acima de tudo, do aumento do investimento em redes e no espetro 5G, um nível mais baixo de custos de reestruturação em comparação com o primeiro trimestre de 2021 e o pagamento de juros devido a uma decisão judicial favorável”, escreve a Nos num comunicado difundido através da CMVM.

No trimestre, o EBITDA da Nos subiu 4,8%, para 159,4 milhões de euros. O EBITDA das telecomunicações, o principal negócio da empresa, cifrou-se em 149,6 milhões, um crescimento de 4,3%, enquanto o EBITDA do cinema e audiovisuais cresceu 13,1%, para 9,8 milhões, uma melhoria explicada pela “robustez das receitas” e “iniciativas de gestão de custos”.

Mais clientes, mais receitas

Entre janeiro e março, a Nos obteve receitas de 365,8 milhões de euros com telecomunicações, mais 9% do que há um ano, com as receitas do segmento de consumo a crescerem 2%, o segmento empresarial a somar 32% e o negócio grossista a captar mais 10,2%.

A dar gás à operadora esteve o crescimento líquido de clientes de 87,8 mil (+5%), para um total de 10,393 milhões de clientes (unidades geradoras de receita). A maioria destes clientes foi conseguida nos serviços móveis (+73,6 mil adições líquidas), em particular os pós-pagos.

Nas ofertas em pacote, a Nos ganhou 15,3 mil clientes no período, elevando a base total para 1,036 milhões. Estes representam mais de 65% da base de clientes fixa, refere a operadora.

Nos acelera 5G

A Nos avança também que a cobertura da sua rede de alta velocidade (“rede gigabit”) “já atingiu 5,165 milhões de lares em Portugal”. Mais de metade são ou podem ser servidos com fibra ótica, tecnologia em que a empresa adicionou mais 41 mil casas passadas, para 2,774 milhões.

No entanto, a empresa está agora focada no 5G: “A Nos continuou a acelerar o calendário de implementação do 5G. A abordagem geral da Nos à implementação da rede procura ser o mais rápida e racional possível, tanto em termos económicos como ambientais. Assim, a Nos tem diversos acordos estratégicos de partilha de redes fixas e móveis, bem como acordos para utilização de redes de terceiros, sempre que estas se apresentarem uma oportunidade mais viável”, escreve a operadora no comunicado.

No total do grupo, o investimento no trimestre aumentou em 44,9%, para 143,3 milhões de euros.

Venda de bilhetes dispara

O alívio das restrições da Covid-19 significou também um alívio para os cinemas da Nos. No primeiro trimestre, o número de bilhetes vendidos disparou para 987,6 mil, que comparam com os 15,9 mil no mesmo período de 2021, em que o país estava em confinamento.

Mas a subida não foi suficiente para regressar aos níveis de 2019. No primeiro trimestre desse ano, a Nos tinha vendido mais de 1,8 milhões de bilhetes.

(Notícia atualizada pela última vez às 18h30)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Nos lucra mais 35% no trimestre. Foram 41 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião