Zero diz que Portugal juntou-se a quatro países europeus para rejeitar fim da venda de carros a combustão até 2035

De acordo com a associação ambientalista Zero, Portugal, Itália, Roménia, Bulgária e Eslováquia vão tomar uma posição conjunta que mina a votação favorável do Parlamento Europeu.

Portugal, Itália, Roménia, Bulgária e Eslováquia preparam-se para tomar uma posição conjunta que contraria a votação do Parlamento Europeu, o qual aprovou o fim da venda de carros a combustão a partir de 2035, ao definir um corte de 100% nas emissões de dióxido de carbono em veículos novos até esta ano, alertou a associação ambientalista Zero. O anúncio surge depois das notícias de que a Alemanha irá votar contra a proposta no próximo Conselho de Ministros do Ambiente da União Europeia (UE), que se realiza na próxima terça-feira.

De acordo com a mesma associação, estes cinco países propõem a redução de 100% nas emissões apenas em 2040, e 90% em 2035 no caso dos automóveis ligeiros de passageiros e 80% no caso dos ligeiros de mercadorias. O Governo foi contactado sobre o fundamento desta divulgação, mas não deu resposta de imediato.

A Zero alerta que, se for considerada também a decisão da Alemanha, “a posição em bloco destes países pode mesmo determinar o gorar da ambição de proibir a venda de carros a combustão a partir de 2035, o que é uma machadada no Pacto Ecológico Europeu”.

Deste modo, a associação ambientalista defende que “Portugal posiciona-se assim na cauda da descarbonização do setor do transporte rodoviário“, sendo este responsável, desde 2019, por 28% das emissões de gases poluentes no país, de acordo com os dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

A posição do governo português está em linha com a da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), que disse ao ECO/Capital Verde ser contra uma proibição total da venda destes automóveis, defendendo que a discussão deve ser retomada só em 2028. Nessa altura, deve ser feito, também, um ponto de situação “sobre o estado da rede de carregamento assim como das diversas soluções tecnológicas”, acrescentou a mesma fonte.

A proposta da Comissão Europeia para o setor automóvel fixa o objetivo de eliminar a 100% as emissões de automóveis de passageiros ou veículos comerciais ligeiros com motor de combustão interna, ou seja, movidos a combustíveis fósseis. Na prática, tal implica que, a partir de 2035, deixe de ser possível colocar no mercado na União Europeia (UE) este tipo de carros. A medida é uma das várias que consta no pacote Fit for 55′, a estratégia europeia que visa alcançar a redução em 55% das emissões de gases poluentes até 2030.

Apesar da aprovação que foi dada pelo Parlamento Europeu, a lei ainda não é definitiva. A votação confirmou a posição do Parlamento para as próximas etapas nas negociações, que decorrem entre o Conselho da União Europeia, o Parlamento Europeu e a Comissão Europeia.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Zero diz que Portugal juntou-se a quatro países europeus para rejeitar fim da venda de carros a combustão até 2035

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião