Penhoras sobem 15% no primeiro ano da pandemia

  • ECO
  • 18 Agosto 2022

2020 foi o segundo ano com maior números de penhoras desde que há registos. Houve 628.461 penhoras ordenadas pela Segurança Social, mais 15% face a 2019.

No primeiro ano da pandemia, houve 628.461 penhoras ordenadas pelas secções de processo executivo do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, mais 15% face a 2019, escreve o Jornal de Negócios (acesso pago).

Neste contexto, 2020 foi o segundo ano com maior número de penhoras desde que há registos, apesar da suspensão dos processos de execução fiscal por mais de três meses. Apenas em 2018 tinha existido um número tão elevado de cobranças coercivas (629.232). Já em 2019, foram registadas 548.356 ordens para reter créditos dos contribuintes em dívida.

Por outro lado, também o reconhecimento de dívida em condições de cobrança coerciva aumentou significativamente em 2020, tendo atingido os 2.542 milhões de euros, isto é, mais 13% face ao ano anterior. Quanto ao valor arrecadado pela Segurança Social para a cobrança de penhoras ascendeu a 470,6 milhões de euros, menos 29% face a 2019 e a menor cobrança numa década.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Penhoras sobem 15% no primeiro ano da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião