“O setor tem muito que aprender em matéria de conciliação e parentalidade”, diz Inês Palma Ramalhopremium

Inês Palma Ramalho, associada sénior da Sérvulo & Associados, partilhou com a Advocatus o que pensa sobre a papel da mulher na advocacia e em que ponto está a igualdade de género no setor.

Em comemoração do dia internacional da mulher, na edição de março da revistaAdvocatusquestionamos seis advogadas sobre o papel da mulher na advocacia e em que ponto está a igualdade de género no setor. E ainda deram um conselho para as futuras colegas. Inês Palma Ramalho, associada sénior da Sérvulo & Associados,foi uma das advogadas que aceitou o desafio da Advocatuse partilhou a sua visão. Existem vantagens em ser mulher no mundo da advocacia? Não há que colocar os homens e as mulheres em pontas opostas, nem faz sentido colocar o tema no plano das vantagens e desvantagens, até porque as mulheres e os homens não são iguais e podem ter skill setdiferentes. Mas é precisamente isso que aconselha estruturas multigénero. Homens e mulheres são complementares. Os escritórios terão sempre

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos