7 podcasts sobre trabalho para fazer perguntas e ter respostas

Somos o que somos ou o que fazemos? Sete podcasts para fazer perguntas e ter respostas sobre como o trabalho é e de como se tornou num dos focos da nossa vida.

A pandemia de coronavírus provocou um estrondo no mercado do trabalho. Em todo o mundo, milhões de trabalhadores estão agora sem emprego; outros têm os seus salários reduzidos; e muitos estão a experimentar, pela primeira vez, o trabalho à distância, num momento em que as exigências subiram de tom e a carga horária tende a dilatar-se.

A este impacto soma-se o da revolução tecnológica, que já antes deste surto começava a fazer-se sentir, mas que agora corre o risco de ser acelerada. Em Portugal, por exemplo, já se estimava que mais de um milhão de postos de empregos seriam eliminados pela robotização das tarefas, no futuro próximo.

No meio de todos estes desafios, ficam os trabalhadores e as empresas. E num momento em que nada parece certo, o melhor mesmo é apostar na reflexão e discussão sobre todas estas matérias. Estes podcasts apresentam perspetivas enriquecedoras.

Safe for work

O quê? Liz Dolane é especialista em marketing e até já ocupou lugares de liderança em marcas tão sonantes como a Nike. Rico Gagliano é jornalista e atualmente colabora com o conhecido Wall Street Journal. O que têm em comum? São os criadores de um podcast com dicas práticas sobre o mundo do trabalho e a vida no escritório: da negociação do salário à produtividade, passando pela definição da identidade para lá das funções ocupadas. Os episódios deste podcast contam com o contributo de especialistas e com as dúvidas reais de ouvintes.

Porquê? Este é um podcast com dicas práticas e que vão diretas ao cerne da questão, enquanto se aborda matérias cada vez mais relevantes nos ambientes laborais dos dias de hoje. Por exemplo, como criar uma atmosfera positiva e como trabalhar de forma mais inteligente, não de forma mais intensa.

Para quem? Ideal para aqueles que estejam à procura de aperfeiçoar a sua atuação enquanto trabalhadores.

HBR ideacast

O quê? Como o nome indica, este é um podcast da conhecida publicação Harvard Business Review. Ainda que não se foque exclusivamente nos dilemas e desafios do mundo do trabalho, há múltiplos episódios para quem se interessa por estes assuntos: de como gerir a solidão em tempos de teletrabalho à conciliação da vida familiar e profissional, passando pelas “regras” de ter sucesso nas contratações… e nos despedimentos. Nos episódios, participam especialistas em negócios e gestão.

Porquê? Para lá das dicas práticas e dos problemas reais de todos os dias, é importante pensar nos desafios mais profundos que populam os espaços de trabalho. É isto que este podcast faz.

Para quem? Ideal para aqueles que estejam abertos a pensar no trabalho numa camada mais profunda.

Superhumans at work

O quê? Fazer do trabalho uma ferramenta de crescimento e desenvolvimento profissional, mas também pessoal: é este o mantra deste podcast, que também conta com a participação de especialistas. A otimização dos processos de trabalho e a prosperidade são os focos principais.

Porquê? Num momento em que a incerteza tende a dominar todos os ambientes de trabalho, perceber como ser melhor ou tirar o melhor da situação é importante.

Para quem? Ideal para aqueles que estejam à procura de caminhos para otimizar o seu trabalho e, consequentemente, a sua vida a caminho da satisfação pessoal e felicidade.

Girlboss radio with Sophia Amoruso

O quê? Acha que a sua vida dava um filme? A história de Sophia Amoruso, criadora da norte-americana Nasty Gal, já deu uma série de televisão. Neste podcast, a empresária conversa com outras mulheres empreendedoras sobre sucesso, crescimento e poder.

Porquê? Num momento em que o mundo do trabalho está marcado por notícias pouco animadoras, ouvir as histórias de quem arriscou e fez da inovação carreira é cada vez mais importante. E mesmo quem não tenha planos para novos projetos, o empreendedorismo pode ser injetado nas tarefas e no trabalho de cada dia.

Para quem? Ideal para aqueles que estejam à procura de inspiração para arriscar em novos projetos ou para pensar no seu trabalho de sempre sob ângulos inovadores.

Ctrl Alt Delete

O quê? Conhecida pelo seu livro “Multi-hyphen method”, a britânica Emma Gannon conversa com vozes das mais variadas áreas sobre as suas trajetórias profissionais, a sua presença nas redes sociais e o papel da Internet nas suas vidas.

Porquê? Este podcast destaca-se pela variedade de temas abordados e testemunhos recolhidos, colocando em cima da mesa ideias e perspetivas valiosas

Para quem? Ideal para aqueles que estejam interessados no modo com a internet e as redes sociais estão a afetar e a moldar o mundo do trabalho.

The future of work with Jacob Morgan

O quê? Neste podcast, Jacob Morgan – futurista e autor de vários livros sobre o futuro do trabalho – conversa com líderes das mais variadas áreas de atividade. O objetivo? Incentivar o ouvinte a pensar na sua própria carreira e a adaptá-la às mudanças que se adivinham, da inteligência artificial à “economia dos biscates”.

Porquê? Num momento em que o desemprego está a disparar, a inovação e a adaptação têm de ser palavras de ordem. Este podcast ajuda a preparar o trabalhador de hoje para o trabalho de amanhã.

Para quem? Ideal para aqueles que estejam interessados no modo como a tecnologia vai afetar os ambientes laborais e abertos a repensar as suas próprias carreiras.

Eles vêm aí

O quê? Um podcast sobre o futuro do trabalho e os trabalhos do futuro, da autoria da jornalista que assina este artigo. Cada episódio é uma reflexão sobre um dos grandes desafios que já estão no origem — a economia dos biscates, o burnout, o teletrabalho, a sustentabilidade da Segurança Social –, passando pelo que se diz lá fora e pelo que se discute cá dentro. Há também episódios especiais sobre o impacto da pandemia de coronavírus, com especialistas sobre direito laboral, produtividade e rendimento básico de emergência.

Porquê? Os especialistas dizem que a pandemia de coronavírus veio acelerar as mudanças que já estavam a ser sentidas no mercado de trabalho por causa da revolução tecnológica. E se assim é, é mais importante do que nunca perceber o que está no horizonte: da semana de trabalho de quatro dias ao futuro das pensões. As reflexões sobre estas matérias estão neste podcast. E em português.

Para quem? Ideal para aqueles que estejam interessados em pensar nas mudanças que o mundo do trabalho já está a sofrer à boleia da revolução tecnológica.

  • Louise Farias

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

7 podcasts sobre trabalho para fazer perguntas e ter respostas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião