André Jordão, CEO da Barkyn: “Na Europa, falhanço é estigma. Nos EUA, é medalha de guerra”

Aproveitou falhanços - e as suas aprendizagens - em projetos anteriores para construir a Barkyn, um marketplace dedicado aos "melhores amigos" de quatro patas. É o convidado do "Start now. Cry later".

Para comprar um iô-iô, fundou o seu primeiro negócio aos sete anos: começou a criar e a vender bichos-da-seda a toda a escola. Depois de passar por consultoras e outras grandes empresas, André Jordão fundou a Foodzai e, anos mais tarde, a Barkyn, um marketplace dedicado aos amigos de quatro patas. Mas, a partir de que momento é que a comida de cão se tornou um negócio sexy?

“Não é a tecnologia pela tecnologia, mas a forma como ela serve para melhorar a vida do cliente. Não fazemos por ser cool, mas para realmente melhorar a vida dos clientes”, explica André Jordão, CEO e fundador da Barkyn, em entrevista no terceiro episódio do podcast “Start now. Cry later”.

Para o português, “não basta nascer empreendedor” para sê-lo. “Deves aprender técnica, aprender com quem já fez, com os erros dos outros”. No entanto, André Jordão acredita ter nascido “para ser empreendedor”. “É crítico, num empreendedor, fazer tudo para que haja muita aprendizagem e muito rápida”, explica.

Esse processo, defende ainda, contempla outras duas vertentes: o timing e uma possibilidade de encarar o falhanço como fator que pode fazer parte. “Muitas startups falham pela falta de timing. (…) O falhanço é um estigma incontornável em toda a Europa enquanto, na cultura norte-americana, é uma medalha de guerra. Porque já aprendeste muito, sabes o que não fazer, sabes o que repetir, e isso é uma aprendizagem muito valiosa para o futuro”, assegura. Na Europa, em contrapartida, André acredita que o estigma “nasce da educação e da cultura desde muito cedo: evitar a falha, em primeiro lugar”.

Pode ouvir o episódio completo “Dog food, you sexy thing” aqui:

André Jordão é fundador e CEO da Barkyn.Teresa Folhadela / Start now. Cry later

O podcast “Start now. Cry later” é um projeto da jornalista Mariana de Araújo Barbosa e da Startup Portugal, que conta com o apoio da revista Pessoas. Pode ouvir os episódios e seguir o projeto aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

André Jordão, CEO da Barkyn: “Na Europa, falhanço é estigma. Nos EUA, é medalha de guerra”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião