Faz sentido falar em advocacia no feminino? A mãe “legal”

  • Raquel Galinha Roque
  • 11 Março 2020

A falta de assistência e previdência na área da parentalidade é evidente e acredito que uma nova consciência está a nascer para que gerações vindouras não tenham de passar pelo que hoje passamos.

É um facto que as mulheres ainda têm de se esforçar muito para atingir os lugares de chefia tradicionalmente atribuídos aos homens. Chegam, mas demoram mais tempo. Desconsiderando a tradicional “luta de género” é mais importante hoje sublinhar o que nos une. E a parentalidade é uma delas. Isto leva-nos até à importância da família e da sua proteção.

É que ser advogado é, efetivamente sê-lo, não apenas uma mera profissão, antes uma condição, um estilo de vida, que quem quer que o seja verdadeiramente, compreende e aceita por inteiro!

Ser pai ou ser mãe é também uma condição para toda a vida.

E, no final somos um só, advogado e pai, advogada e mãe.

É quase como que um ecossistema em simbiose, pois um não existe sem o outro, e vice-versa!

A questão ganha relevo no mundo jurídico, essencialmente na ótica feminina, quando o tempo não se multiplica, nem se tem o dom da ubiquidade.

A maternidade das advogadas está longe de estar protegida.

Se tiver uma gravidez de risco qual a minha garantia? Se tiver um aborto espontâneo, ou mesmo provocado, o que posso fazer aos meus prazos? Acabei de ser mãe e fui notificada para um julgamento daqui a dois meses? Acabei de dar à luz e quero dedicar-me ao meu filho nos primeiros tempos, como qualquer cidadão. Existe algum seguro ou direito que me garanta um rendimento para gozar estes primeiros tempos? O meu filho ficou doente, o que faço?

As questões são muitas…Carregadas da preocupação que temos para com os clientes e de nós próprios, pais e mães, comuns seres humanos.

A falta de assistência e previdência na área da parentalidade é evidente e acredito que uma nova consciência está a nascer para que gerações vindouras não tenham de passar pelo que hoje passamos. No entanto existem outros paradigmas a atender.

Ser profissional liberal implica, per si, uma gestão autónoma, independente do nosso trabalho. Será? É possível um work life balance?

Gostaria muito de responder que sim, mas ainda não consegui! Ser advogada implica uma disponibilidade e entrega constantes, tal como ser mãe. Por isso, o que de melhor a maternidade nos traz para o trabalho é o apuramento de capacidades como a priorização e gestão do tempo. São impressionantes as ferramentas que esta abençoada condição de vida nos dá, mas isto não significa que a ponderação entre trabalho e família tenha que existir ou tenha que se definir a linha que separa uma da outra. Esse equilíbrio complicado de encontrar, é provavelmente, muitas vezes, encontrado tarde demais…

São valores e princípios que têm de ser repensados, redesenhados, não só por advogadas, por mães, mas também por todos! O mundo jurídico é cada vez mais um mundo feminino e, como tal, um mundo com mais mães, que conciliam, no melhor dos seus esforços, a maternidade e a carreira profissional.

Sou advogada há 12 anos, desde 2015 sócia fundadora da CRS Advogados, no triénio 2017-2019 fui vogal conselheira do Conselhos Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados, em 2019 fui finalista “40 under Forty” promovidos pelos Iberian Lawyer Awards na categoria insolvências e restruturações, sou mãe de duas filhas e estou à espera do terceiro O que isso diz sobre mim? Se fosse homem era notável? Diz que sou advogada e mãe, que com calma tudo se faz, mas é um caminho longo, mais longo e mais pesado por ser mulher, mas se voltasse atrás jamais o mudava. Acima de tudo diz que acredito num futuro melhor para os advogados e as suas famílias.

*Raquel Galinha Roque é sócia da CRS Advogados.

  • Raquel Galinha Roque
  • Sócia da CRS Advogados

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Faz sentido falar em advocacia no feminino? A mãe “legal”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião