Lei de bases da habitação – o que muda?

  • Madalena Azeredo Perdigão
  • 26 Novembro 2019

Leia aqui o artigo de opinião da associada coordenadora do departamento de imobiliário da CCA, Madalena Azeredo Perdigão, sobre a nova lei de bases da habitação.

O ano de 2019, ano de eleições, tem sido marcado por um conjunto de novidades legislativas em matéria de habitação, motivada por uma preocupação do Governo na defesa do direito à habitação. Não é de estranhar, já que muitas foram as notícias que saíram sobre a carência de habitação e a afetação, nos últimos anos, do património imobiliário, quer o reabilitado, quer o construído de novo, para o alojamento local ou para a venda a preços inflacionados, em resposta a programas como o Golden Visa.

Assim, no início do ano, surgiram as alterações à “lei da rendas”, com o mote de melhor defender os inquilinos mais desprotegidos e harmonizar os desequilíbrios alegadamente criados por essa mesma lei de 2012. Pouco depois regulamentou-se o Programa de Arrendamento Acessível, com a criação de incentivos fiscais à construção de habitação para renda acessível e a isenção de tributação relativamente aos rendimentos prediais decorrentes dos arrendamentos enquadrados nesse Programa. Recentemente, no passado dia 1 de outubro, entrou em vigor a Lei de Bases de habitação.

O que dizer desta lei? A primeira pergunta que se coloca é, desde logo, saber o que muda a partir de agora? Como lei de bases que é, para já apenas são definidos princípios gerais e um quadro programático norteador da atuação do poder público a respeito da habitação. Neste sentido, com esta lei, fica claro que, por exemplo, o Estado assume um papel de garante do direito à habitação, direito esse que há muito vem consagrado na nossa Constituição. Para essa tarefa, são expressamente imputadas ao Estado diversas obrigações, tais como a promoção e execução de políticas públicas que permitam o acesso à habitação com rendas compatíveis com os rendimentos familiares, através, por exemplo, da atribuição de subsídios de renda, de incentivos à construção com custos controlados para posterior arrendamento acessível, para não esquecer da promoção à utilização de habitações devolutas, quer de propriedade pública, quer privada. São igualmente definidas linhas de atuação na defesa do cidadão no momento do acompanhamento do despejo e na escolha de local para o seu realojamento, para além da previsão de incentivos fiscais que privilegiem a reabilitação urbana, a dinamização do mercado do arrendamento e o acesso à habitação própria, num esforço claro de lutar contra a “fuga” do património imobiliário para outras afetações, como acima referido.

No entanto, esses princípios gerais de nada servem se não foram devidamente concretizados, se não forem criados mecanismos seguros que permitam a materialização efetiva dos apoios Estatais a cada situação em concreto. Refiro-me, por exemplo, à forma de ultrapassar questões como o tempo de espera para alcançar um apoio habitacional ao abrigo dos programas públicos já criados ou a criar, muitas vezes não compatível com as necessidades urgentes de habitação dos cidadãos mais desfavorecidos. Refiro-me, também, à garantia de que o incentivo fiscal dado a um proprietário para se vincular, por exemplo, a um contrato de arrendamento a vinte anos não venha a ser retirado ou reduzido, como já aconteceu no passado com outros incentivos fiscais. No fundo, não há dúvidas que é fundamental ter uma lei de bases da habitação que vem definir, em linhas gerais, a estratégia das políticas que devem ser adotadas no setor da Habitação, ainda que se possa discutir se os princípios nela constantes são ou não suficientes para as respostas que se querem dar atualmente. No entanto, o desafio maior está, sem dúvida, na definição dos mecanismos de regulamentação e concretização das metas estabelecidas para a mudança deste mercado da habitação.

*Madalena Azeredo Perdigão é associada coordenadora do departamento de imobiliário da CCA.

  • Madalena Azeredo Perdigão
  • Associada coordenadora de imobiliário da CCA

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lei de bases da habitação – o que muda?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião