Pensar na carreira mete medo

  • Pedro Oliveira
  • 25 Julho 2019

Tipicamente agarram-se à famosa expressão “ninguém sabe o dia de amanhã” que se aplica como uma luva ao formato a curto-prazo que o nosso cérebro foi engenheirado pela natureza.

A maioria das pessoas que conheci ao longo da minha carreira tem receio de pensar a longo-prazo: receia de tal forma pensar no tema que o próprio medo acabou por se tornar “dormente” sem sequer impactar o seu inconsciente. Tipicamente agarram-se à famosa expressão “ninguém sabe o dia de amanhã” que se aplica como uma luva ao formato a curto-prazo que o nosso cérebro foi engenheirado pela natureza.

É, de facto, necessário algum esforço cerebral para descolar do modo default e pensar sobre o que o futuro nos poderá reservar e, em sequência, tentar posicionar-nos nesse futuro bastante incerto e delinear um plano de ações para atingir os nossos objetivos.

Eu percebo… é complexo! Se não nascemos nem fomos educados para lidar com a mudança de forma linear, como é que podemos pensar que estamos preparados para repensarmos a nossa carreira entre cinco a dez vezes durante a nossa vida ativa?

Qual a solução? Contratar um coach para nos ajudar a perceber qual o caminho que podemos percorrer. Considero-me um sortudo pois encontrei um excelente coach que me tem ajudado a posicionar-me na minha carreira. No entanto, aí reside o problema: não é simples identificar um profissional que tenha fit cultural connosco, com disponibilidade e com uma hour rate acessível. Observando a evolução da nossa sociedade, percebemos que passámos de carreiras monógamas e demasiado estáveis dos tempos da pré-internet para carreiras millennials salta-pocinhas entre posições.

Não podemos encontrar um meio-termo?! Fazê-lo fará com que os indivíduos comecem a melhor planear as suas carreiras e, também, com que as empresas aproveitem melhor porque contratam profissionais com os “pés bem assentes na terra”.

A verdade é que os profissionais tendem a colocar o ónus do planeamento da sua carreira nos empregadores mas o ownership de carreira não deveria pertencer ao indivíduo?

Desengane-se quem achar que pode contar apenas com as organizações para “cuidar” do seu futuro. As empresas acabam por ter um incentivo cada vez menor para o fazer uma vez que o turnover, especialmente quando se trata de top talent, é cada vez maior derivado da desigualdade entre oferta e procura, de tal forma que os talentos mais requisitados estão a passar do modelo full-time para Contracting.

No entanto, também é verdade que as empresas devem ajudar os seus colaboradores a evoluir de forma a aumentar o tempo de estadia dos mesmos na organização, como tal devem investir no upskilling e reskilling dos seus colaboradores pois a pressão tecnológica não vai relaxar. Realidade Virtual, Inteligência Artificial e outros temas parecidos vão deixar de ser jargões corporativos ou de startups e vão invadir o nosso espaço de trabalho, quer seja nas nossas casas, nos coworks ou nos escritórios.

Foi este o principal motivo pelo qual a equipa da Landing decidiu transformar, gradualmente, o Landing Festival numa conferência de desenvolvimento pessoal e de carreira, e de busca pelo conhecimento. O Landing Festival é, na prática, uma experiência humana e tecnológica onde os participantes podem perspetivar o seu futuro num ambiente propício à criatividade, comunicação colaboração e pensamento crítico.

Sabemos que as pessoas têm de começar a assumir um compromisso com elas próprias ao nível do crescimento de carreira, e queremos ser a melhor equipa do mundo a fornecer-lhes as ferramentas digitais certas para o fazer.

Por outro lado, sentimos que as organizações têm de acompanhar esta evolução e, foi por este motivo que criámos a Tech Hiring Conference, uma conferência boutique dedicada a profissionais do talento, desde recrutadores aos hiring managers, para que comecem a abraçar as novas realidades que estão invadir a cultura empresarial.

*Pedro Oliveira é cofundador da Landing.Jobs.

  • Pedro Oliveira

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pensar na carreira mete medo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião