Scones com Brexit

O Governo comporta-se como um condutor que vai em rota de colisão com um automóvel que vem na direcção contrária e apressa-se a deitar o volante pela janela.

A suspensão do Parlamento no Reino Unido é a maior desde 1945. O objectivo próximo e imediato é limitar a discussão e o debate sobre o infinito impasse do Brexit. Com a limitação do Parlamento, a aceleração política em direcção a uma saída sem acordo é imparável. O Governo comporta-se como um condutor que vai em rota de colisão com um automóvel que vem na direcção contrária e apressa-se a deitar o volante pela janela. Politicamente a mensagem de Boris Johnson é óbvia – O Brexit a 31 de Outubro só pode ser evitado com a destruição do Governo. A divisão no seio da Oposição, a opção pela via legal, nada consegue fazer para desviar a obstinação política de um Primeiro-Ministro que não foi escolhido em Eleições Gerais e que lidera um Governo praticamente minoritário. É a política britânica em modo de guerra.

No entanto, a estratégia política pode ter algum sentido, embora pareça uma corrida em desespero contra um muro. A estratégia envia um sinal óbvio para Bruxelas de que não existe Parlamento que consiga colocar-se ao lado da Europa e que possa evitar uma saída sem acordo. Da perspectiva da política interna, a ideia pode ter associada a convocação de Eleições Gerais logo após a concretização do Brexit, baseando-se a campanha do Partido Conservador, primeiro, na figura superior de Boris Johnson, depois, na oposição entre o Povo e o Parlamento, com Boris a encarnar o espírito britânico do herói habituado a garantir o impossível.

Aliás, com Boris o Brexit entra definitivamente na fase da acção, após os instintos freudianos de Theresa May e a sua capacidade para se esconder dos factos. Mas com Boris Johnson o Governo entra no domínio da insanidade mais absoluta. Centrado compulsivamente no Brexit, o Reino Unido comporta-se como um excêntrico indivíduo que, porque tem um problema no dedo, manda amputar a perna. E porque sem perna fica desequilibrado, dá ordem para amputar a outra perna. É a política do absurdo com a máscara da coragem e do sentido histórico.

E por falar em sentido histórico, é impossível não observar em Boris Johnson uma peculiar e extravagante fixação na figura de Winston Churchill. A propaganda conservadora faz constar que Boris, aos cinco anos de idade, queria ser “Rei do Mundo”. Uma pretensão compreensível nas aventuras de James Bond e onde todos os vilões querem ser Reis do Mundo. Existe o clássico tropo do alienado que vive num hospício e que afirma ser Napoleão, que se veste como Napoleão, que age como Napoleão. Por vezes dá a sensação de que Boris Johnson transformou o Governo de sua Majestade num enorme cenário onde o Primeiro-Ministro vive como Churchill, pensa como Churchill e age como Churchill. O enredo tem a marca da tragédia disfarçada de comédia, uma farsa em que o Governo e a Nação estão cativos das fantasias de um ego descomunal. Não é Churchill quem quer, especialmente quando alguém se comporta como um verdadeiro “Jack the Ripper”.

O que é de referir é a incapacidade do sistema político britânico em concretizar a decisão do Referendo através da via Parlamentar. Com uma prática política estranha a Constituições escritas, centrada no Parlamento e na fluidez de uma “common law” inscrita no tempo e numa tradição de comportamento político, a figura homérica do Primeiro-Ministro ganha uma importância decisiva em virtude da flexibilidade da fábrica política. O que se observa neste momento crítico para o Reino Unido é precisamente a flexibilidade do sistema político a provocar, não a proverbial estabilidade e consenso britânicos, mas a produzir uma perturbação disfuncional e a revelar a completa ausência de um poder ou instituição que mantenha o equilíbrio da regulação política. Para além de todos os discursos ainda falta o discurso da rua.

Neste ponto convém uma palavra para a figura da Rainha. A Soberana não se envolve na política. Em reciprocidade, a Monarca tem a expectativa de que o seu Governo siga a prática estabelecida de não a expor a decisões controversas. Em teoria, a Rainha continua a usufruir da “Prerrogativa Real” expressa na capacidade de exercer o seu critério e o seu arbítrio em determinadas questões. No entanto, séculos de Monarquia Constitucional transformaram esta Prerrogativa numa ficção. A Soberana atende ao precedente e observa a convenção estabelecida de que o Monarca segue e deve seguir o conselho formal do Primeiro-Ministro. O facto de a Rainha não aceitar o parecer do Primeiro-Ministro representa uma ingerência nos assuntos políticos e provoca imediatamente uma crise constitucional. Com o conselho para suspender o Parlamento, o Primeiro-Ministro Boris Johnson opta por envolver a Monarca numa decisão controversa e numa decisão que divide o Reino Unido.

A honestidade do Primeiro-Ministro não é assim tão evidente que chegue para impressionar pela qualidade moral. A política britânica está em estado de sítio e em guerra aberta – estado de sítio no Parlamento e guerra aberta contra a Europa. Ao contrário do que se pensa, Eton e Oxford não servem apenas para decorar os salões com boas maneiras e ditos inteligentes. O charme britânico pode ser politicamente mortal.

Nota: o autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Scones com Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião