Ao oitavo dia, o Dow Jones cai de recorde

Receios de que a inflação force um ritmo de subida dos juros estão a retirar o apetite ao risco dos investidores norte-americanos.

Depois de máximos históricos consecutivos nas últimas sessões, o Dow Jones abriu a sessão desta quarta-feira em queda, cedendo 0,28%. A pressionar as bolsas do outro lado do Atlântico estão os receios dos investidores de que a política orçamental de Donald Trump vai colocar a taxa de inflação numa rota ascendente, deixando a Reserva Federal sem outra opção senão subir as taxas de juros diretoras num ritmo mais rápido do que o esperado para controlar os preços.

Se o índice industrial recua para os 18.870,06 pontos, também o índice de referência S&P 500 e o tecnológico Nasdaq recuavam 0,22% e 0,15%, respetivamente, com a possibilidade de subidos juros da Fed agravarem os custos de financiamento das empresas.

“Temos visto o reflexo do resultado das eleições nos mercados no curto prazo, por isso o mercado deverá consolidar à medida que as expectativas de crescimento se ajustam aos fundamentais”, referiu Carin Pai, da Fiduciary Trust Company International, à Bloomberg. “Vai demorar muito tempo até que estas políticas de Trump sejam definidas”, acrescentou.

"Temos visto o reflexo do resultado das eleições nos mercados no curto prazo, por isso o mercado deverá consolidar à medida que as expectativas de crescimento se ajustam aos fundamentais. Vai demorar muito tempo até que estas políticas de Trump sejam definidas.”

Carin Pai

Fiduciary Trust Company International

Com Janet Yellen a testemunhar amanhã perante o congresso sobre as perspetivas económicas, vários membros da Fed tem sugerido que uma expansão da política orçamental vai criar um cenário de redução dos estímulos monetários da parte do banco central.

O presidente da Fed de St. Louis, James Bullard, afirmou esta quarta-feira em Londres que a economia registará um forte impulso a médio prazo caso Trump avance com investimentos em infraestruturas e a reforma fiscal.

As possibilidades de uma subida da taxa diretora da Fed já no mês de dezembro subiu para os 94% face aos 82% do mês passado. Ou seja, o mercado dá como quase certa subida de juros da Fed já no próximo mês.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ao oitavo dia, o Dow Jones cai de recorde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião