Pharol ganha fôlego, mas a bolsa não

A Bolsa de Lisboa e Europa seguem no vermelho, com o mercado à procura de um rumo após a eleição de Trump. Pharol faz o melhor e o BCP o pior. EDP e Galp Energia ditam o ritmo.

A praça lisboeta inverteu face aos ganhos que registava no início da sessão, com o PSI-20 a desvalorizar já perto de 1%. O índice de referência nacional recua 0,68%, para os 4.374,18 pontos, penalizado pela queda dos títulos da EDP, Galp Energia e também do BCP. Nem a subida de quase 4% da Pharol, que respira após a derrocada de que foi alvo nos últimos dias é suficiente para manter o PSI-20 acima da linha de água.

"Aparenta haver uma tentativa de retorno ao otimismo por parte do mercado, mas este ainda parece muito indeciso.”

Gilles Guibout.

AXA Investment Managers

A Europa, também inverteu após um arranque positivo. O Stoxx 600 recua 0,28%, para os 338,21 pontos, com o mercado ainda à procura de um rumo após a vitória de Trump nas eleições presidenciais dos EUA. “Aparenta haver uma tentativa de retorno ao otimismo por parte do mercado, mas este ainda parece muito indeciso”, afirmou Gilles Guibout, responsável pela equipa de ações europeias da AXA Investment Managers, citado pela Bloomberg.

As ações da EDP e da Galp recuam 1,3% e 1,08%, para os 2,65 e 11,9 euros, respetivamente, com a petrolífera a acompanhar o deslize das cotações do “ouro negro” nos mercados internacionais. O barril do Brent negociado em Londres desvaloriza 1,09%, para os 46,44 dólares, enquanto o concorrente crude perde 1,35%, para os 45,19 dólares, em Nova Iorque, com os investidores a registarem mais-valias após os fortes ganhos da última sessão.

Destaque também para a Mota-Engil que perde 2,59%, para os 1,69%, o segundo pior registo do PSI-20.

Já o BCP é o título mais penalizado da Euronext Lisbon. As ações do banco liderado por Nuno Amado perdem 2,64%, para os 1,23 euros, corrigindo após quatro sessões de ganhos acentuados, que foram suportados pela disputa entre a Fosun e a Sonangol pelo BCP. O BPI destoa ao valoriza uns escassos 0,09%, para os 1,13 euros.

Já a Pharol prepara-se para dar como concluído o mais extenso ciclo de perdas desde janeiro (sete sessões), sobressaindo com o melhor desempenho do PSI-20. As suas ações disparam 3,78%, para os 19 cêntimos No mesmo sentido, de salientar a Jerónimo Martins, cujos títulos avançam 0,14%, para os 14,81 euros, ajudando a travar as quedas do índice luso.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pharol ganha fôlego, mas a bolsa não

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião