Venda do Novo Banco a “fundo abutre”? Mortágua defende nacionalização

A deputada bloquista defende uma nacionalização definitiva do Novo Banco, para garantir "o controlo público permanente do banco". Pagar para vender ao Lone Star? "Nem pensar", sublinha.

Pagar para vender o Novo Banco a um “fundo abutre”? “Nem pensar”, escreve Mariana Mortágua esta terça-feira, num artigo de opinião publicado no Jornal de Notícias. A deputada do Bloco de Esquerda junta-se às vozes que defendem a nacionalização do “terceiro maior banco do país”, como fez também o deputado socialista João Galamba.

Mariana Mortágua começa por criticar o processo de resolução do antigo BES em agosto de 2014, do qual resultou o Novo Banco. Mas “era suposto que as contas iniciais do Novo Banco estivessem certas”. Ou seja, “que os empréstimos irrecuperáveis tivessem ficado no BES, que os créditos em risco tivessem sido prudentemente provisionados, que as garantias tivessem sido realisticamente avaliadas”, sublinha a deputada bloquista. Expectativas que, diz, saíram goradas.

Mortágua critica também o ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho que, à data, “estava empenhado em convencer o país” de que “tinha solucionado uma falência bancária sem dinheiro dos contribuintes”, algo que classifica como um “milagre” que virou “farsa”.

Agora, depois do reforço de capital do Novo Banco em 2015, em que o Banco de Portugal foi “buscar mais dois mil milhões de obrigações” que estavam no “BES mau”, e depois de uma “primeira tentativa falhada, o banco de transição está “de novo à venda”. Porém, é com base nas garantias estatais que os interessados estarão a exigir para ficarem com o Novo Banco que Mariana Mortágua acaba por defender a nacionalização da instituição.

O fundo de private equity Lone Star é, atualmente, o mais bem posicionado para ficar com o Novo Banco, mas sobre isso, Mortágua não deixa margem para dúvidas: “Pagar para vender o terceiro maior banco do país a fundo abutre nem pensar. A nacionalização é por isso a solução.” Não “uma nacionalização temporária”, mas “o controlo público permanente do banco, para que este possa ser gerido de acordo com os interesses de longo prazo do país”, defende a deputada no artigo.

Para terminar, Mariana Mortágua lança um repto ao Banco de Portugal, para que a entidade liderada por Carlos Costa explique “como é que ainda falta dinheiro no Novo Banco”. Afinal, “é difícil não achar que se trata, na melhor das hipóteses, de incompetência”, conclui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda do Novo Banco a “fundo abutre”? Mortágua defende nacionalização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião