Venda ao Lone Star faz cair administração do Novo Banco

O Novo Banco tem um novo chairman e novos administradores executivos, mas o mandato desta equipa cessa no momento da assinatura do acordo de venda ao Lone Star.

O Novo Banco tem uma administração reforçada nas últimas semanas com a nomeação de um chairman — Rui Cartaxo — e novos administradores executivos na equipa de António Ramalho, mas o ECO sabe que o mandato cessará no momento em que o acordo de venda for assinado com o Lone Star.

O Banco Central Europeu (BCE) aprovou a nova administração do Novo Banco, onde se inclui Rui Cartaxo para a função de chairman da instituição, no passado dia 7 de abril, e os nomes foram divulgados pelo Novo Banco logo nos dois dias seguintes. Ora, a entrada de novos administradores já era conhecido há algumas semanas, o ECO revelou, de resto, em primeira mão a entrada dos novos executivos, e o Novo Banco aguardava a aprovação do BCE. Só que, entretanto, corre uma operação de venda e, mesmo antes da formalização da entrada de novos administradores, o governo anunciou no dia 31 de março o acordo com o fundo Lone Star.

O Lone Star já disse publicamente que gostaria de continuar com António Ramalho na presidência executiva, mas o ECO sabe que já não vê da mesma forma o nome de Rui Cartaxo e de outros administradores executivos.

Oficialmente, ninguém comenta, mas uma fonte que acompanha a negociação garantiu ao ECO que nos termos de acordo, a administração cessa funções no momento da assinatura do acordo de venda. Dito de outra forma, os administradores que entraram nas últimas semanas não terão direito a qualquer indemnização por interrupção do mandato, porque o mandato cessa formalmente e começará um novo.

O conselho de administração do Novo Banco é liderado por Rui Cartaxo, que assume o cargo de chairman. O antigo presidente da REN era, até agora, consultor do conselho de administração do Banco de Portugal.

Já a comissão executiva continua a ser liderada por António Ramalho, e conta com novos nomes: Isabel Ferreira, antiga presidente do Best, fica com a pasta da rede de particulares; Vítor Fernandes, saiu da administração da ECS Capital para ficar com a rede de empresas; Luísa Soares da Silva, anteriormente partner da sociedade MLGTSS, ficará responsável pela área jurídica; Rui Fontes, que já estava no Novo Banco como diretor de risco, passa para a administração do banco; e José Eduardo Bettencourt, que já tinha sido chefe de gabinete do anterior presidente, também passa para a administração, mas, neste caso, ainda aguarda a aprovação do BCE. Além destes novos administradores, Jorge Cardoso é o CFO.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda ao Lone Star faz cair administração do Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião