Dizer que o PSD quer privatizar a CGD é “um bocadinho abusivo”

  • Lusa
  • 7 Maio 2017

Maria Luís Albuquerque, antiga ministra das Finanças, reagiu às acusações de que o PSD quer privatizar a Caixa Geral de Depósitos (CGD), considerando-as abusivas.

A vice-presidente do PSD Maria Luís Albuquerque considerou abusiva a acusação de que o seu partido quer a privatização da Caixa Geral de Depósitos (CGD), alegando que os social-democratas não tomaram “uma única iniciativa” para o fazer. “Acusam-nos de querermos a privatização da Caixa, mas lembro que estivemos quatro anos e meio no governo e não tomámos uma única iniciativa para o fazer. Dizerem que queremos quando tivemos oportunidade e não o fizemos parece um bocadinho abusivo”, afirmou.

A antiga ministra das Finanças, acompanhada pelo deputado do PSD eleito por Évora, António Costa da Silva, falava à agência Lusa durante uma visita à Feira das Flores e Sabores, que termina este domingo na Aldeia da Luz, no concelho de Mourão, distrito de Évora. Questionada pela Lusa sobre as suas declarações ao Dinheiro Vivo e TSF, em que afirmou que não ficaria chocada se a CGD fosse privatizada, Maria Luís Albuquerque manteve o que disse, mas notou que “uma coisa é uma posição pessoal, outra coisa é o que tem sido a atuação do PSD”.

“Não tenho objeções e não entendo que seja necessário e indispensável, numa circunstância normal, ter um banco público, mas é uma posição pessoal”, realçou, assinalando, contudo, que, no atual contexto, “não faz sentido estar a falar-se na privatização da Caixa Geral de Depósitos”. A ex-governante defendeu essa posição por entender que, na atual situação do país, “ainda é preciso um processo de consolidação e de reforço razoavelmente longo no tempo do sistema bancário”.

Maria Luís Albuquerque escusou-se ainda a comentar a resposta dada pelo Presidente da República, depois de ter dito, na mesma entrevista ao Dinheiro Vivo e TSF, que o chefe de Estado não é uma entidade independente e técnica. Na sexta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa disse estar “acima das guerras” entre partidos, entre oposição e Governo e entre confederações, reforçando que sempre que alguém o utilizou como arma de arremesso “saiu-se mal”.

Durante a visita à feira, a antiga ministra passou pelos cerca de 20 expositores do certame e no espaço da Unidade de Cuidados na Comunidade (UCC) Almoreg aproveitou para medir a tensão e fazer um teste de glicemia. No final, a dirigente social-democrata disse que lhe transmitiram “preocupações e questões que não estão resolvidas”, como “terras que não estão regularizadas, imposto municipal sobre imóveis que está a ser pago por terras que estão submersas e terras que não estão registadas em nome dos proprietários”.

“Além da questão económica, que é importante, há a sensação de um dupla perda, de perderem aquilo que era antigo e de não verem os direitos reconhecidos naquilo que seria supostamente para os compensar”, observou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dizer que o PSD quer privatizar a CGD é “um bocadinho abusivo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião