Marcelo: “Sempre que alguém usou o Presidente como arma de arremesso, não ficou bem”

Marcelo reagiu à entrevista de Maria Luís Albuquerque, dizendo que "sempre que alguém utilizou o Presidente como arma de arremesso, não ficou bem". Alertas ao PSD, aos quais nem Passos Coelho escapou.

“Sempre que alguém utilizou o Presidente como arma de arremesso, não ficou bem. Saiu-se mal.” É assim que Marcelo Rebelo de Sousa reage às declarações de Maria Luís Albuquerque, ex-ministra das Finanças, que disse numa entrevista que, em matéria de sustentabilidade das contas públicas, “o Presidente da República não é uma entidade independente e técnica”.

Palavras que não caíram bem junto de Marcelo Rebelo de Sousa. Em declarações aos jornalistas, em Valpaços, disse esta tarde que a função do Presidente da República é “pensar nos portugueses”. “Há meses também houve dirigentes do PSD, do PCP e da CGTP que criticaram o Presidente. É assim. Num ano eleitoral, faz parte do jogo partidário o querer partidarizar ou envolver na luta de parceiros o Presidente”.

O antigo comentador esclareceu que “foi eleito para estar acima disso”. “Compreende-se estas lutas. Fazem parte da vida. Os partidos têm de lutar pela vida, os candidatos têm de lutar pela vida, as confederações têm de lutar pela vida. Mas o Presidente está fora desse tipo de luta. Não quer dar razão ao partido A, B ou C, nem quer dar razão à confederação A, B ou C”, acrescentou.

Indireta para o PSD: “Sou daqueles que ficam felizes com aquilo que é bom para o país”

Questionado se espera que Portugal saia do Procedimento por Défices Excessivos (PDE), o Presidente da República acabou por lançar mais algumas indiretas ao PSD. “Espero que sim, mas ninguém tem a certeza”, disse, depois de o primeiro-ministro ter dito na noite de quinta-feira que Portugal deve sair do PDE antes do verão.

E acrescentou: “Se vier [a sair], é uma grande alegria. Sou daqueles que ficam felizes com aquilo que é bom para o país. Acho que todos os portugueses devem ficar felizes se o país sair do PDE — não era líquido há um ano. Gente muito qualificada e muito inteligente disse que era matematicamente impossível. E foi possível chegar a este défice“, referiu, numa clara alusão às posições tomadas pelo anterior primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, agora líder da oposição.

“Se há saída [do PDE], o Presidente é o primeiro a ficar feliz. É uma satisfação patriótica. E acho que os portugueses devem ficar felizes, pois é puxar o país para cima”, concluiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Venezuela não pode servir para “aproveitamento político”

Por fim, Marcelo Rebelo de Sousa foi confrontado com o alegado silêncio perante a situação de grandes tensões políticas, económicas e sociais na Venezuela. Respondeu: “Toda a gente percebe que, nesta altura, as autoridades portuguesas estão a fazer o que podem e o que não podem para ajudar os portugueses [na Venezuela].”

No entanto, “uma coisa é fazer isso e outra coisa é andar nos jornais a dizer o que se faz”. E acrescentou também: “Há duas maneiras de fazer política: uma é apregoar que se vai fazer qualquer coisa e depois não se fazer. Outra é fazer sem andar a apregoar.” Para o Presidente, “deve-se agir criando formas de apoio, formas de acompanhamento. Mas isso é uma coisa. Outra é estar a usar isso para aproveitamento político público”.

Marcelo Rebelo de Sousa foi ainda questionado acerca do último debate das eleições presidenciais francesas, cuja última volta se disputa este domingo entre Marine Le Pen e Emmanuel Macron. Contudo, recusou-se a comentar quem ganhou ou perdeu o debate francês, argumentando que “o Presidente da República vai ter de se dar bem com o vencedor dessas eleições, pois é um país amigo e irmão no sentido em que lá estão muitos portugueses”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo: “Sempre que alguém usou o Presidente como arma de arremesso, não ficou bem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião