Aicep abre nova delegação na Argentina

O primeiro-ministro inicia segunda-feira uma visita oficial à Argentina e ao Chile. A viagem tem um forte pendor económico. A Aicep vai aproveitar a presença de António Costa para abrir uma delegação.

A Aicep vai inaugurar na próxima segunda-feira a sede da delegação em Buenos Aires. O objetivo é contribuir para aprofundar as relações económicas bilaterais e estabelecer novas parcerias entre os países.

A cerimónia vai contar com a presença do primeiro-ministro, António Costa, que inicia na nesse dia uma visita oficial à Argentina e ao Chile. Até agora o delegado da Aicep, Rui Lourenço Pereira, trabalhava a partir da embaixada de Portugal em Buenos Aires. Mas a partir de segunda-feira passa a ter uma nova casa.

Durante os quatro dias de presença em Buenos Aires e em Santiago do Chile (dois em cada uma das capitais), António Costa estará acompanhado pelos seus ministros dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

Fonte oficial do Executivo português referiu à agência Lusa que, tanto a Argentina, como o Chile, apresentam projeções de crescimento na ordem dos 2% para este ano, sendo mercados em que a presença nacional ainda é considerada baixa.

“Estamos perante países ou em recuperação (caso da Argentina) ou em consolidada expansão (caso do Chile). Há um potencial de crescimento nestes mercados para as empresas portuguesas, sobretudo nos setores das infraestruturas e do fornecimento de equipamentos”, salientou a mesma fonte do Governo.

A Argentina foi, em 2016, o 48.º cliente de Portugal e o seu 49.º fornecedor. As exportações portuguesas de bens para a Argentina cresceram, em média, 23,7%, entre 2012 e 2016, tendo totalizado neste último ano cerca de 92,5 milhões de dólares, refere a Aicep em comunicado enviado para as redações. “Dados que apontam para uma boa margem de crescimento”, refere a agência responsável pela promoção das exportações e dos grandes investimentos.

Atualmente encontram-se registadas 184 empresas portuguesas a exportar para a Argentina, acrescenta a Aicep, “um número que, através de um maior apoio no terreno com a presença da Aicep e reforço das relações bilaterais, poderá crescer nos próximos anos”, acrescenta a agência. Entre os principais produtos que Portugal exporta para a Argentina encontram-se combustíveis minerais (41,6%), madeira e cortiça (19,5%), máquinas e aparelhos (13,1%), matérias têxteis (6,5%) e metais comuns (4,7%). De registar que no primeiro trimestre deste ano as exportações de veículos estavam a crescer de forma significativa, atingindo já a quantia de 11,2 milhões de euros.

A grande diferença nas trocas comerciais entre Portugal e Argentina coloca-se ao nível da intensidade tecnológica dos produtos transacionados, sendo a nacional de categoria média (mais de 70% do total) e a argentina maioritariamente baixa (84,8%).

Da Argentina, Portugal importa principalmente produtos agrícolas, que representavam 59,2% do total em 2016, e produtos alimentares (32,2%) – dois grupos de produtos onde se destacam o óleo de soja, sementes de girassol, legumes secos (grão) e tabaco não manufaturado.

No ano passado, a balança comercial de bens e serviços foi ligeiramente favorável a Portugal, que exportou bens e serviços no valor de 111,3 milhões de euros, tendo as importações atingido no mesmo ano os 106,5 milhões de euros.

Na agenda política do primeiro-ministro está uma reunião na terça-feira com o Presidente argentino, Maurício Macri, na Casa Rosada, após o qual serão assinados vários acordos bilaterais. António Costa conhece pessoalmente o Chefe de Estado argentino, que desempenhou as funções de presidente do Distrito Federal de Buenos Aires a partir de 2007, ou seja, no mesmo período em que o atual primeiro-ministro também começou a exercer o cargo de presidente da Câmara de Lisboa.

Mauricio Macri, Presidente da Argentina. Sarah Pabst/Bloomberg

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Aicep abre nova delegação na Argentina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião