Sonae Capital compra metalúrgica por mais de nove milhões

Depois de comprar uma empresa de energias renováveis, a Sonae Capital avança agora sobre uma metalúrgica. Negócio deverá ultrapassar os nove milhões de euros.

A Sonae Capital voltou às compras. Depois da aquisição de uma empresa de energias renováveis anunciada no início desta semana, a cotada liderada por Cláudia de Azevedo informou esta sexta-feira que vai comprar uma metalúrgica por nove milhões de euros. Mas o preço da transação poderá aumentar em função do desempenho da metaleira nos próximos quatro anos.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonae Capital adianta que assinou “um contrato de compra e venda relativo à aquisição da totalidade do capital e direitos de voto da sociedade ADIRA – Metal Forming Solutions, SA e da sua participada Guimadira”. O negócio “compreende uma componente fixa de nove milhões de euros, e uma componente diferida e variável em função da performance (EBITDA) da empresa nos próximos quatro anos”, acrescenta ainda.

A ADIRA é uma empresa de base portuguesa e é um player de referência no sector do “Metal Forming”, dedicando-se ao desenvolvimento, conceção, fabrico, produção e comercialização de máquinas-ferramentas, explica a Sonae Capital. A maioria da sua atividade destina-se ao mercado externo. No final do ano passado, a empresa apresentava uma dívida líquida de 6,7 milhões de euros. A concretização da transação encontra-se dependente da aprovação da Autoridade da Concorrência.

Na segunda-feira, a Sonae Capital anunciou a compra da totalidade do capital da empresa de produção de eletricidade Ventos da Serra.

A Sonae Capital teve um prejuízo de 4,85 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, quando tinha tido um prejuízo de 3,88 milhões de euros em igual período do ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae Capital compra metalúrgica por mais de nove milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião