EMA em Lille? Governos francês e alemão desmentem notícia

Segundo o jornal alemão "Wirtschaftswoche", há um acordo entre França e Alemanha para partilhar as agências europeias que estão no Reino Unido. Os Governos de Macron e Merkel desmentem.

A Agência Europeia do Medicamento (AEM) deverá ser transferida de Londres para Lille, cidade francesa. Em contrapartida, a Autoridade Bancária Europeia (EBA) deverá ficar numa cidade alemã. A informação é avançada pelo jornal alemão “Wirtschaftswoche“, que dá conta de um acordo entre Berlim e Paris. Essa parceria entre Macron e Merkel é revelada ao semanário alemão por fontes anónimas da União Europeia. Contudo, fontes oficiais de ambos os Governos desmentem a existência de um acordo à Reuters.

Uma fonte oficial do Governo alemão classifica a notícia de “nonsense” e fonte oficial do Governo francês diz que é um “rumor de Bruxelas”, segundo a agência de notícias. Outra fonte oficial alemã disse à Reuters que esta “não é uma questão para estes dois países decidirem — especialmente com o procedimento a ser acertado agora”. Já o executivo francês defendeu que o objetivo do processo em curso é exatamente “evitar confrontos”.

No entanto, se a informação do jornal alemão se confirmar, nem Porto nem Lisboa vão receber a Agência Europeia do Medicamento, uma disputa que reacendeu nas últimas semanas o debate sobre a descentralização. As críticas levaram o Governo a reabrir a escolha da candidatura de Portugal à agência, depois de ter escolhido inicialmente Lisboa.

Portugal tinha sido um dos muitos países da União Europeia a manifestar o seu interesse em receber esta agência europeia depois de os britânicos terem votado para sair das eleições. As negociações para a saída do Reino Unido iniciaram-se no início desta semana, mas a disputa pelas agências já tinha começado. O processo de candidaturas dura até 31 de julho deste ano.

Segundo o “Wirtschaftswoche“, a Autoridade Bancária Europeia deverá ir para Frankfurt, cidade alemã que também alberga o Banco Central Europeu. Contudo, a decisão só deverá ser anunciada formalmente numa cimeira a realizar-se mais perto do final do ano, acrescenta o jornal.

Sobre este processo, o Presidente da República português já tinha dito que trazer a AEM para Portugal é “uma realidade que verdadeiramente é difícil”. “O nosso objetivo é tentar, que é muito difícil, [trazer] para Portugal essa agência”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa durante uma visita à Feira do Livro.

A Agência Europeia do Medicamento é uma instituição europeia, descentralizada, com sede em Londres. Foca-se na “proteção e promoção da saúde pública e animal através da avaliação e supervisão dos medicamentos para uso humano e veterinário”.

Esta quinta-feira realiza-se mais um Conselho Europeu em Bruxelas e, segundo o seu presidente Donald Tusk, é neste encontro que deverá ficar fixado o procedimento para a escolha dos locais que vão albergar estas duas agências.

(Atualizado às 18h50 com a reação do Governos francês e alemão)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EMA em Lille? Governos francês e alemão desmentem notícia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião