Angola e Sport TV fazem disparar lucros da Nos

A operadora Nos lucrou 71,8 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano, uma subida de 41% face ao ano passado. A empresa reforçou ainda o investimento.

Os lucros da operadora Nos NOS 1,23% no primeiro semestre de 2017 fixaram-se nos 71,8 milhões de euros, aumentando 41% em relação ao mesmo período do ano passado. O segundo trimestre do ano foi positivo para a empresa de Miguel Almeida, que bateu as estimativas dos analistas e que justifica os resultados satisfatórios com “o contributo positivo das empresas participadas”, nomeadamente a Zap em Angola.

Entre janeiro e junho, a Nos registou um crescimento homólogo das receitas de exploração de 3,5% para 769,4 milhões de euros. Os lucros antes de juros, impostos, amortizações e depreciações (EBITDA) registaram ainda um aumento de 4,78% para 300,3 milhões de euros.

Ao nível do segundo trimestre, os lucros cifraram-se nos 40,4 milhões de euros, superando largamente as estimativas da Bloomberg. As receitas no trimestre subiram para 388,4 milhões de euros, enquanto o investimento (capex total) atingiu os 71,1 milhões de euros. O EBITDA foi de 156,7 milhões de euros, um crescimento homólogo de 5,4%, em linha com o previsto pelos analistas do Haitong.

A Nos atribui o crescimento dos resultados a uma combinação entre “um melhor ambiente cambial no caso da Zap” em Angola, assim como “um aumento dos preços e poupanças de custos” com a “alteração do modelo de distribuição da Sport TV” no segundo semestre do ano passado. Tudo isto impulsionou “resultados financeiros mais positivos”.

Para Miguel Almeida, presidente executivo da Nos, os resultados da operadora representam também uma “muito positiva evolução dos indicadores financeiros, apesar da continuada queda da receita por serviço”. Por outras palavras, o líder da operadora garante assim que os preços estão a cair, embora a Nos tenha adicionado 99.100 novos serviços ao portefólio, totalizando 9,25 milhões de serviços.

A operadora conseguiu também fazer crescer o número de subscritores móveis, o número de clientes de TV por subscrição e no número de clientes de banda larga fixa e banda larga móvel. Em relação a outros negócios, a Nos vendeu no trimestre 2,45 milhões de bilhetes de cinema, uma subida de 42,6% em relação a 2016. A receita média mensal por utilizador está já acima dos 44 euros, quer a nível trimestral (44,3 euros), quer a nível semestral (44,4 euros), subidas acima dos dois pontos percentuais em ambos os períodos.

No final do trimestre, a Nos acumulava ainda uma dívida líquida de 1,11 milhões de euros, num rácio de dívida face ao EBITDA de duas vezes (mantendo tudo constante, a Nos levaria dois anos a pagar a totalidade da dívida). É um valor inferior à media do mercado, que se situa acima das quatro vezes.

(Notícia atualizada às 17h21 com mais informações)

Evolução da cotação das ações da Nos

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angola e Sport TV fazem disparar lucros da Nos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião