Automóveis vão render mais 291 milhões ao Estado

Não há aumentos excecionais, mas os automóveis (e os seus donos) vão ser uma importante fonte de receita para o Orçamento do Estado em 2018.

Não há aumentos excecionais, mas os automóveis (e os seus donos) vão ser uma importante fonte de receita para o Orçamento do Estado em 2018. Com o Imposto Sobre Veículos (ISV), o Imposto Único de Circulação, mas especialmente com o Imposto sobre Produtos Petrolíferos e Energéticos, a receita vai aumentar em 291 milhões de euros.

No caso do ISV, as tabelas são igualmente “ao valor da inflação o que, conjugado com o expectável crescimento do mercado, faz perspetivar um aumento da receita fiscal em 49 milhões de euros (+6,3%)”, refere a proposta de Orçamento do Estado. “À semelhança do que sucede com o ISV, o expectável crescimento do parque automóvel nacional terá um impacto positivo na receita fiscal em sede de IUC. Por outro lado, deverá verificar-se um aumento das taxas de imposto na ordem dos 1,4%. Pela conjugação destes fatores, estima-se que a receita de IUC aumente em 39 milhões de euros (11%)”, acrescenta.

O maior aumento da receita relacionada com os automóveis provém do ISP. “Procede-se igualmente à mera atualização de algumas das taxas do Imposto sobre Produtos Petrolíferos e Energéticos, também ao nível da inflação, embora não exista qualquer alteração às taxas de imposto aplicadas à gasolina e ao gasóleo”, diz o documento.

“Neste sentido, o crescimento da receita deste imposto [o ISP] advém fundamentalmente do aumento do consumo, o que deverá levar a um aumento da receita na ordem dos 203 milhões de euros (+6,1%)”, sendo dos três impostos aquele que registará o maior aumento. O ISP será também dos três aquele que mais receita total gera: 3.553,8 milhões. O ISV renderá 823,3 e o IUC permite encaixar 395,4 milhões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Automóveis vão render mais 291 milhões ao Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião