Siza Vieira: “Deve legislar-se com diagnósticos prévios”

O agora braço direito de António Costa fala da sua experiência de 18 meses na Comissão Executiva da Estrutura de Missão para a Capitalização das Empresas, constituída no final de 2015

“O acesso indireto ao mercado de capitais é decisivo para o tecido empresarial português”, defende Pedro Siza Vieira. Por isso, explica o atual ministro Adjunto, em artigo de opinião publicado na edição deste mês da Advocatus, se criaram “as sociedades de investimento mobiliário de fomento empresarial e os certificados de curto prazo, permitindo que as PMEs encontrassem uma nova fonte de financiamento que não necessitasse da intermediação bancária”. O advogado falava nos 18 meses em que integrou a Comissão Executiva da Estrutura de Missão para a Capitalização das Empresas, constituída no final de 2015, para propor medidas relativas ao financiamento da atividade empresarial no nosso país.

O também advogado – que até aqui era sócio da Linklaters – defende que a equipa partiu de várias conclusões para fazer o seu trabalho: o baixo nível dos níveis de capitais próprios das empresas, por comparação com as congéneres europeias, a elevada dependência do financiamento bancário, com a quase totalidade do financiamento das empresas portuguesas a assentar no crédito bancário e o elevado número de empresas sobreendividadas.

O atual ministro – no artigo de opinião escrito previamente à sua nomeação como membro do Governo – defende ainda que a forma como o ordenamento jurídico condiciona as decisões dos agentes económicos “pode influenciar significativamente o desempenho das empresas e da economia. Legislar com base em diagnósticos prévios, envolvendo os agentes económicos e procurando reformar aspetos precisos, parece-me ser um método adequado para assegurar que a legislação dirigida às empresas contribui para a competitividade da economia”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siza Vieira: “Deve legislar-se com diagnósticos prévios”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião