Contratação Pública e Concorrência discutidos na PLMJ

  • ECO
  • 15 Dezembro 2017

A sessão fez parte do ciclo de conferências "Direito em Perspectiva", organizado pela PLMJ.

A PLMJ organizou em Lisboa uma conferência sobre o tema “Contratação Pública e Concorrência: de mãos dadas ou de costas voltadas?”. O evento, que decorreu na passada sexta-feira, contou com a presença de mais de 100 pessoas. Entre os oradores participaram Pedro Marques Bom, diretor geral de Investigação da Autoridade da Concorrência, Nuno Cunha Rodrigues, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Fernando Oliveira Silva, presidente do conselho diretivo do IMPIC e João Canto e Castro, diretor da assessoria legal da direção de concessões da Infraestruturas de Portugal.

A sessão contou com uma abertura de Margarida Matos Rosa, presidente da AdC, e de Luís Pais Antunes, managing partner da PLMJ. Ainda da sociedade de advogados, estiveram também presentes os sócios Tiago Duarte, Sara Estima Martins e Ricardo Oliveira, e a associada Carla Machado.

A conferência da passada sexta-feira “conseguiu atingir o objetivo de sensibilizar as empresas participantes para uma matéria que a AdC considera uma prioridade de enforcement para os próximos ano”, diz Ricardo Oliveira, sócio coordenador da equipa de Direito Europeu e da Concorrência da PLMJ, citado em comunicado.

Segundo Sara Estima Martins, Sócia de PLMJ Direito Europeu e da Concorrência, “a conferência permitiu abordar as relações entre a contratação pública e a concorrência a partir das diferentes perspetivas dos vários oradores, o que encontrou reflexo numa audiência muito diversa, que incluiu empresas, entidades públicas e advogados.”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contratação Pública e Concorrência discutidos na PLMJ

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião