Trump já assinou. O que muda com a reforma fiscal nos EUA?

  • Juliana Nogueira Santos
  • 22 Dezembro 2017

Trump queria dar como prenda de Natal aos norte-americanos um "massivo corte de impostos". Dias antes das festas, chega o presente, mas pode vir envenenado.

Há mais de um ano que o mundo ouve a mesma expressão. “Vou implementar o maior corte de impostos que os EUA já viram”, repete, vezes a fio, o Presidente Donald Trump. Após entraves à esquerda e à direita, alertas para o aumento da despesa pública e para o impacto nos cidadãos mais pobres, o presidente — ou melhor dizendo, os republicanos — conseguiram ver a sua reforma a avançar. Até agora, só faltava uma assinatura para que se tornasse oficial.

Esta é uma das primeiras vitórias de Donald Trump conseguiu atingir desde que pisou pela primeira vez a Sala Oval como Presidente da maior potência mundial, visto que os seus planos para afastar e substituir o plano de saúde implementado por Barack Obama não têm tido sucesso e o muro a constituir na fronteira com o México está longe de dividir concretamente os dois países — ainda que este assunto já divida os seus pontos de vista.

Assim, após propostas, rascunhos, o novo plano fiscal de Donald Trump que têm como principal objetivo pôr a economia a avançar e cortar com as injustiças e erros que, segundo o mesmo, têm sido cometidas pelos seus antecessores prevê que:

Muitas destas medidas têm uma data de reversão prevista — 2025 –, ou seja, bem após Trump sair da Casa Branca, mesmo que cumpra um segundo mandato. A Administração justifica isto com razões orçamentais. Será então o próximo Presidente que terá de se preocupar com um novo plano fiscal.

Prevê-se que, com estas medidas, os americanos sejam aliviados de 1,5 biliões de dólares em impostos. A dúvida de muitos está na forma como estes alívios vão ser aplicados. É o caso do Congressional Budget Office que aponta para que cerca de metade da população vai pagar menos, mas os mais ricos sairão beneficiados.

A análise deste organismo independente revela que 44% dos contribuintes terão uma redução na carga fiscal. No entanto, os milionários, ou aqueles que ganham entre 100 e 500 mil dólares por ano, serão os maiores beneficiários da reforma fiscal de Trump.

Em 2019, os americanos que ganhem menos de 30 mil dólares vão ficar pior com a reforma fiscal agora aprovada pelo Senado. Em 2021, os que ganhem 40 mil, ou menos, vão perder com esta revisão da fiscalidade, enquanto, em 2027, a maioria dos que auferem até 75 mil dólares ao ano será penalizada. E o défice dos EUA vai crescer 1,4 biliões de dólares durante a próxima década.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump já assinou. O que muda com a reforma fiscal nos EUA?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião