Abreu Advogados debate mediação de conflitos desportivos

O seminário promovido pela Union Internationale des Avocats (UIA) conta com diversos especialistas de mediação internacional e reúne a indústria desportiva.

A Abreu Advogados recebe – dias 12 e 13 – a mediação jurídica na resolução de conflitos desportivos. O seminário promovido pela Union Internationale des Avocats (UIA) conta com diversos especialistas de mediação internacional e reúne a indústria desportiva.

“A mediação de conflitos apresenta-se como uma alternativa que oferece maior rapidez na gestão de questões de litígio, por exemplo ao nível da contratação desportiva, e esta iniciativa pretende constituir-se como um primeiro passo na preparação dos agentes desportivos na gestão de conflitos desportivos, antecipando cenários e soluções que se ajustem a cada realidade” explica Fernando Veiga Gomes, sócio responsável da área de Direito de Desporto da Abreu Advogados e presidente da Comissão de Direito do Desporto da UIA.

Do programa do evento destaca-se a análise do enquadramento legal de cenários de disputa desportiva, os mecanismos legais de resolução de conflitos desportivos, os desafios e as oportunidades da mediação de conflitos no desporto contando com um leque diversificado de oradores provenientes de diferentes jurisdições – Espanha, Grécia, Reino Unido, Suíça, Bélgica, EUA.

A abertura será realizada por Pedro Pais de Almeida (sócio da Abreu Advogados e presidente da UIA) e o encerramento por Fernando Veiga Gomes. O evento conta igualmente com a presença de Guilherme Figueiredo, bastonário da Ordem dos Advogados. Destaque ainda para as intervenções de Thomas Gaultier (consultor da Abreu Advogados e vice-presidente da comissão de mediação e prevenção de conflitos da UIA), Alexandre Miguel Mestre (consultor da Abreu Advogados e ex-secretário de Estado do Desporto), André Pereira da Fonseca (advogado associado da Abreu Advogados e árbitro no Tribunal Arbitral do Desporto).

No fecho da iniciativa, atestando a importância da temática, os participantes terão a oportunidade de testemunhar a relevância da mediação e o papel decisivo que pode desempenhar num contexto de disputa, através de uma simulação.

A Abreu Advogados está atualmente entre as três maiores sociedades de advogados em Portugal, contando com uma equipa de cerca de 200 advogados, num total de 300 profissionais. Além dos escritórios de Lisboa, Porto e Madeira, a Abreu Advogados tem forte presença internacional através das desks de Angola, Brasil, Cabo Verde, China, Moçambique e Timor-Leste.

A União Internacional de Advogados (UIA) reúne hoje mais de dois milhões de advogados através dos seus membros, seja a título individual ou coletivamente, distribuídos em mais de 120 países. Aberto a todos os advogados do mundo, generalistas ou especialistas, também reúne profissionais do direito, como juízes, professores e estudantes de direito.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abreu Advogados debate mediação de conflitos desportivos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião