Garrigues e Cuatrecasas na compra do Dolce Vita Tejo

A Garrigues assessorou a AXA e a Cuatrecasas, Gonçalves Pereira assessorou juridicamente a BPI Xv S.à.r.l., que tem como acionistas os fundos Eurofund e Baupost,.

As equipas de Imobiliário, M&A e Fiscal da Garrigues, lideradas por Jorge Gonçalves, Marta Graça Rodrigues, Tiago Cassiano Neves e Miguel Menezes da Silva, assessoraram a AXA Investment Managers – Real Assets (“AXA IM – Real Assets”) na aquisição do centro comercial Dolce Vita Tejo, em Lisboa.

A Cuatrecasas, Gonçalves Pereira assessorou juridicamente a BPI Xv S.à.r.l., que tem como accionistas os fundos Eurofund e Baupost, nesta venda da Dolce Vita Tejo.

A transação envolveu uma equipa multidisciplinar da Cuatrecasas, dirigida pelo sócio responsável da área de Direito Imobiliário Nuno Sá Carvalho, integrando também os departamentos de Direito Societário (sendo a equipa para esta operação coordenada pelo sócio José Diogo Horta Osório e pela consultora Marta Pereira da Silva), de Direito Fiscal (sócio Diogo Ortigão Ramos e associada Marta Duarte Silva) e de Direito Bancário e Financeiro (sócia Maria João Ricou e associada sénior Margarida Leal Oliveira).

O Dolce Vita Tejo tem 274 lojas, uma área de 80 mil m2 actualmente em desenvolvimento e recebe 15 milhões de visitantes por ano.

Um negócio que representou um investimento de aproximadamente 230 milhões de euros. A AXA IM – Real Assets, um dos líderes globais em investimentos imobiliários e o maior em gestão de ativos imobiliários na Europa, concluiu para os seus investidores a aquisição deste centro comercial, o segundo maior de Portugal, o qual conta atualmente com 274 lojas distribuídas por uma área de 80 mil metros quadrados, e que recebe anualmente 15 milhões de visitantes.

O centro comercial será objeto de um significativo programa de reposicionamento, com vista torná-lo no principal destino de retalho e de lazer em Portugal, adiantou a AXA em comunicado. O ativo foi adquirido aos norte-americanos Baupost e aos britânicos Eurofund Group, que continuarão a atuar como operadores e gestores da implementação do programa de reposicionamento do centro comercial, até à sua conclusão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Garrigues e Cuatrecasas na compra do Dolce Vita Tejo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião