CPAS. Advogados em manifestação hoje

Em causa as regras da Caixa de Previdência que obriga advogados e solicitadores a pagar por mês 240 euros no mínimo para uma reforma no futuro. Encontro está marcado às 14.00 na Ordem dos Advogados.

Um grupo de advogados manifesta-se esta sexta-feira, em frente à Ordem dos Advogados, às 14.00. Em causa as alterações às regras da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores (CPAS) que obrigam os advogados e solicitadores a pagar, no mínimo, 243 euros por mês para terem direito a uma reforma no futuro. O movimento foi criado pela advogada Cristina Vilar Santos e já conta com quase 800 profissionais confirmados.

A manifestação silenciosa de Advogados, Solicitadores e Agentes de Execução com início pelas 14 horas no Largo de São Domingos, em Lisboa, junto à sede da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores, seguirá depois em marcha até junto do Ministério da Justiça”, explica o comunicado do grupo.

Advogados, solicitadores e agentes de execução saem à rua, numa atitude incomum nestas classes profissionais, para “reclamar um sistema contributivo mais justo e protestar contra o silêncio de todos os intervenientes. Se é certo que os órgãos da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores já prepararam algumas medidas tendentes a atenuar os efeitos do atual Regulamento, não é menos certo que tais medidas estão muito aquém do desejado”, diz o comunicado.

E faz a crítica direta também ao Ministério da Justiça: “este ainda não deu seguimento às mesmas, o que teve como consequência a manutenção dos aumentos da taxa contributiva. Uma das questões que leva a esta contestação prende-se, precisamente, com a manutenção dos aumentos previstos no atual regulamento, os quais acrescem aos aumentos normais decorrentes da indexação ao salário mínimo nacional, e que tornam a prestação contributiva ainda mais incomportável para muitos destes profissionais”.

O presidente da CPAS, António Faustino, já garantiu em dezembro que enviou ao Ministério da Justiça um conjunto de alterações mas a verdade é que, para já, está tudo ainda na gaveta. Contactado pelo ECO, fonte do gabinete de Francisca Van Dunem garantiu, no início do mês, que essas propostas e o resultado de um grupo de trabalho constituído há um ano, em que estão ainda presentes membros do gabinete de Vieira da Silva, estão ainda a ser estudadas.

Atualmente, os 243,60 euros são a contribuição mínima exigida a quem tem mais de quatro anos de profissão. Ao contrário dos restantes cidadãos, os advogados não recebem subsídio se estiverem de baixa. Não recebem subsídio parental, se tiverem filhos.

“Daqui resulta que estes profissionais estão a pagar uma prestação muito superior à que pagariam, se contribuíssem de acordo com o rendimento efetivamente auferido, e que pagariam se estivessem no regime dos trabalhadores independentes”, diz o comunicado.

O ECO sabe que o bastonário da Ordem dos Advogados já confirmou que iria receber o grupo que se reúne amanhã em frente ao Largo de São Domingos. Grupo esse que levará um manifesto que será entregue ao bastonário dos advogados, dos Solicitadores e posteriormente ao Ministério da Justiça.

Na semana passada, o Conselho Geral da Ordem dos Advogados emitiu comunicado oficial onde refere assistir com atenção e preocupação aos recentes aumentos das contribuições, bem como à “compreensível reação de colegas”. Porém, remete para o Ministério da Justiça a responsabilidade quanto à demora nas alterações propostas ao Regulamento afirmando expressamente que “o atraso no processo legislativo necessário à implementação daquelas medidas (a que a Ordem dos Advogados e a CPAS são completamente alheias), entregues à senhora Ministra da Justiça já no início do passado mês de dezembro, tem impedido que essas alterações entrem em vigor, com prejuízo para todos nós, advogados.”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CPAS. Advogados em manifestação hoje

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião