Soares de Oliveira sobre ‘caso dos emails’: “É impossível dizer que isso não afetou a nossa imagem”

Domingues Soares de Oliveira, em entrevista no ECO24, tinha reforçado que "é impossível" dizer que 'caso dos emails' "não afetou' imagem do Benfica. Gestor sublinhou que clube mantém-se credível.

Pouco menos de um ano depois de ter chegado à opinião pública, o ‘caso dos emails’ voltou a fazer tremer, esta terça-feira, a SAD do Benfica. Esta manhã, o assessor jurídico dos encarnados foi detido por suspeitas de corrupção ativa, no âmbito da investigação, cujo impacto na imagem do clube “é impossível” negar, adiantou Domingues Soares de Oliveira.

Na semana passada, em entrevista no ECO24 (programa promovido pelo ECO em parceria com a TVI14), o administrador-delegado do Benfica sublinhou: “É impossível dizer que isso não afetou a nossa imagem, foi necessário dar explicações porque esta violação da correspondência teve efeitos gravíssimos”.

Ainda assim, o gestor, que escolheu não revelar o impacto económico da investigação no clube, deixou claro que o Benfica continua a ser considerado um clube credível. “Ecos do ponto de vista de não queremos trabalhar convosco porque deixaram de ser credíveis, não [foram registados]”, reforçou Soares de Oliveira.

Paulo Gonçalves, assessor jurídico da SAD Benfica, foi detido esta terça-feira por se suspeitar que ofereceu subornos a, pelo menos, três funcionários judiciais de modo a obter informação sobre os processos relacionados com o ‘caso dos emails’. A operação, que acabou por ser batizada de ‘e-toupeira’ pela Polícia Judiciária, envolveu também a detenção de um outro suspeito. Até ao momento, já foram constituídos três arguidos.

Entretanto, os encarnados já reagiram à detenção de Gonçalves, mostrando “total disponibilidade em colaborar com as autoridades” e reforçando a sua convicção de que o assessor jurídico terá a oportunidade de provar “a legalidade dos seus procedimentos”. No mesmo comunicado, o clube adianta que vai pedir uma audiência à Procuradoria-Geral da República com caráter de urgência.

O ‘caso dos emails’ chegou à opinião pública em junho do ano passado, quando o diretor de comunicação do Futebol Clube do Porto, Francisco J. Marques, denunciou um alegado esquema de corrupção de árbitros que favorecia o Benfica. No processo, estiveram envolvidos desde o início a SAD dos encarnados, o antigo árbitro Adão Mendes e o antigo diretor de conteúdos da Benfica TV Pedro Guerra.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Soares de Oliveira sobre ‘caso dos emails’: “É impossível dizer que isso não afetou a nossa imagem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião