Primeiro soaram os alarmes, agora vêm as contas. Lucros dos CTT caem para quase metade

Francisco Lacerda presta contas esta quarta-feira depois do fecho da bolsa. Analistas não auguram boas notícias: o lucro anual terá afundado 40% em 2017 com queda nas receitas do correio postal.

Foi em outubro que Francisco Lacerda lançou o profit warning aos investidores: os lucros dos CTT CTT 0,21% estão a derrapar face ao previsto devido à deterioração do negócio do tráfego postal. Hoje é dia de prestação de contas anuais e os analistas estão à espera que a empresa “confirme o difícil enquadramento em que opera”. Estimam uma queda de lucro de 40% em 2017.

Os analistas sondados pela Reuters apontam para um lucro de cerca de 38,7 milhões de euros no exercício do ano passado. Isto traduz uma queda de 39,4% face ao resultado obtido um ano antes e ajudam a perceber por que razão a administração lançou um plano de reestruturação nos últimos meses para contornar a crise. Entre as medidas contam-se saídas de trabalhadores, fecho de lojas, cortes nos salários da administração e redução do dividendo.

Do lado do CaixaBI, as perspetivas são até mais pessimistas quando Lacerda anunciar as contas ao mercado após o fecho da bolsa de Lisboa. O lucro anual terá caído para metade: 30,6 milhões de euros. E isto depois de um quarto e último trimestre num ambiente operacional bastante desafiante, explicam os analistas daquele banco de investimento.

“De uma forma geral, e uma vez mais, antecipamos que os resultados do último trimestre do ano não tragam grandes novidades, confirmando o difícil enquadramento em que os CTT operam, nomeadamente no correio — volumes endereçados a caírem 6,2% em 2017 face ao período homólogo”, contextualiza a equipa de research do CaixaBI.

“Foco no Correio”

Os CTT têm sobretudo quatro áreas de negócio: Correio, Expresso & Encomendas, Serviços Financeiros e Banco CTT. Para os analistas do CaixaBI, “o foco está no correio”.

“As receitas de correio no quarto trimestre deverão ser de 130,3 milhões de euros (-3,9% em termos homólogos e +5,4% face ao trimestre anterior), com os volumes de correio endereçados a caírem 6% em termos homólogos em igual período. Para 2017, estimamos que as receitas desta área de negócio sejam de 523,7 milhões (-1,8% em termos homólogos), com os volumes de correio transportados a acumularem uma queda de 6,2% face ao ano passado”, estima o banco de investimento.

Pressionado por um segmento de correio que representa 75% do negócio dos CTT, Lacerda também não deverá contar com bons números na atividade de Serviços Financeiros, que compreende a comercialização dos certificados de poupança do Estado. Aqui as receitas terão recuado 12,7%, segundo as estimativas do CaixaBI.

Por outro lado, reforçando a aposta da administração naqueles que são considerados os dois pilares de crescimento do futuro, os CTT deverão registar subidas nas receitas do Expresso & Encomendas e Banco CTT para 131 milhões e oito milhões, respetivamente.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeiro soaram os alarmes, agora vêm as contas. Lucros dos CTT caem para quase metade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião