Altice acusa Nos de “ataque grave e gratuito ao Governo e ao regulador”

A Altice respondeu à entrevista do presidente da Nos publicada este sábado. Acusa a concorrente de querer "fazer prova de vida" e de receber milhões do Estado por um serviço que só tem dois clientes.

Estalou o verniz entre a Altice Portugal e a Nos. Em entrevista ao Expresso, Miguel Almeida, presidente da Nos, acusa a dona da Meo de aproveitar os incêndios para tentar vender “serviços adicionais” aos clientes sem comunicações. Em resposta, fonte oficial da Altice Portugal acusa o líder da Nos de querer apenas “fazer prova de vida”. “Não conhecendo a nossa empresa é natural que o conteúdo tenha pouca consistência”, lê-se numa nota enviada ao ECO.

São três os temas mais quentes que fizeram desencadear uma resposta por parte do grupo liderado por Alexandre Fonseca: a reposição de comunicações interrompidas na sequência dos incêndios, o polémico dossiê da Fibroglobal e a venda da Media Capital. Ainda assim, a Altice garante que “não irá reagir formalmente ao conteúdo da entrevista”.

1. A compra da TVI

Começando pelo negócio de 440 milhões de euros da compra da dona da TVI pela Altice Portugal, anunciado no ano passado e que se encontra a aguardar parecer final do regulador da concorrência, a dona da Meo “saúda” com ironia a posição de Miguel Almeida expressada numa entrevista ao Expresso (acesso pago), publicada este sábado.

“Sobre a Media Capital, a Altice, tal como sempre disse, confia na decisão do regulador e saúda o facto e a NOS ter recuado na sua posição, dizendo que, havendo remédios, até não é contra a operação.É esta a resposta da dona da Meo a Miguel Almeida, que afirmou na entrevista: “Se [a operação] for aprovada, a nossa expectativa (…) é que terá de ser com os remédios adequados para precaver os riscos identificados”. O gestor também disse: “Quero acreditar que a operação não vai acontecer porque é muito negativa para os consumidores, para os cidadãos, e, no limite, para a democracia”.

Fonte da Altice Portugal garante ainda que a Nos também tem interesses no setor dos media: “Parece ter vergonha de assumir que estão na imprensa há muitos anos, com um diário de referência em Portugal [o Público] e que o seu acionista estrangeiro [Isabel dos Santos] tem forte presença e influência nos media portugueses e angolanos.” Por isso, a mesma fonte atira: “Não aborda os temas com que a Nos se debate, como a estrutura acionista, transparecendo claramente não estar à vontade com o que pode suceder no futuro. Quando der uma entrevista sobre a Nos talvez [Miguel Almeida] possa dizer o que pensa”.

[A Nos] parece ter vergonha de assumir que estão na imprensa há muitos anos, com um diário de referência em Portugal e que o seu acionista estrangeiro tem forte presença e influência nos media portugueses e angolanos.

Altice Portugal

Fonte oficial

2. O caso da Fibroglobal

Na entrevista, Miguel Almeida, presidente da Nos, abordou o caso da Fibroglobal, que está a a ser investigado pela Anacom e pela Autoridade da Concorrência (AdC). Em causa está o facto de se tratar de uma empresa que recebeu investimento de dinheiros públicos, mas que só tem a Meo como cliente — as restantes operadoras queixam-se de incapacidade de rentabilizar um eventual investimento, devido aos preços grossistas praticados, e acusam a Altice Portugal de alegados interesses e envolvimento com a Fibroglobal.

Sobre a acusação de fraude na atuação de uma participada, a Altice escusa-se a comentar o tema, afirmando, contudo, considerar irresponsável e preocupante o ataque grave e gratuito feito ao Governo português e ao próprio regulador”. É a resposta à posição de Miguel Almeida, que disse haver “fraude” na Fibroglobal e que o Governo e a Anacom pactuam com ela “com o seu silêncio e a sua inação”.

3. Os incêndios

O terceiro tema é a reposição dos serviços de comunicações danificados nos incêndios. A Nos é prestadora do serviço universal, mas “nenhum” cliente sem comunicações solicitou o serviço à operadora, explicou Miguel Almeida. Este serviço, como anunciou a Anacom recentemente, só tem dois clientes e foi feita uma recomendação ao Governo para que renegoceie o contrato. Na entrevista, aliás, o presidente da Nos criticou “as instituições com responsabilidade” por não terem tido “uma atitude pedagógica” de explicar à população que podem solicitar este serviço à operadora.

Apesar de tudo, agora, a Altice vem apontar diretamente o dedo à Nos também relativamente a este assunto. “Estranha-se que, recebendo do Estado e, portanto, dos contribuintes, quase dez milhões de euros pelo contrato de serviço universal, apenas tenha responsabilidade por dois ou três clientes”, diz fonte da Altice, apontando o dedo à Nos. O serviço universal fixo é suportado pelo Fundo de Compensação do Serviço Universal, financiado pelas operadoras do setor.

Altice Portugal e Nos endurecem assim o discurso num momento crítico para o setor das telecomunicações, com a possibilidade em cima da mesa de a maior operadora em quota de mercado (Meo) vir a controlar o maior grupo de media em quota de mercado (Media Capital).

(Notícia atualizada às 14h46 com mais informações)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice acusa Nos de “ataque grave e gratuito ao Governo e ao regulador”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião