Ryanair pode incorrer em crime. ACT preparada para avançar

  • ECO e Lusa
  • 7 Abril 2018

A recente greve em Portugal da equipa da empresa irlandesa deu material suficiente para os inspetores do trabalho instaurarem contraordenações graves.

A Ryanair deverá ser multada e acusada de crime em Portugal. O Expresso (acesso pago) deste sábado avança que a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) já tem informação do seu lado que permitem instaurar contraordenações graves à empresa irlandesa. Especialistas em direito do trabalho contactados pela Lusa consideram que a Ryanair incorre em crime, se for aplicada a lei portuguesa quanto à substituição de trabalhadores grevistas.

De acordo com o semanário, os inspetores da ACT estiveram nos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro durante os três dias da greve da equipa da Ryanair em Portugal. Mas a Autoridade poderá ir mais longe com uma auditoria geral ao funcionamento da empresa e à verificação dos termos contratuais dos trabalhadores portugueses da empresa irlandesa. A ACT está a ponderar avançar criminalmente contra a Ryanair por “perseguição” aos trabalhadores e “até tentativa de obstaculizar o trabalho das autoridades”, revela o Expresso.

Em Portugal substituir grevistas é proibido pela lei, mas a empresa irlandesa fê-lo durante a última greve, tendo recorrido a trabalhadores de outros países, nomeadamente Espanha, Itália e Holanda. Apesar de incorrer numa contraordenação muito grave, a Ryanair poderá pagar, na prática, uma multa que varia entre os 2.040 euros e os 61.200 euros.

Ryanair pode incorrer em processo contraordenacional e em crime

A transportadora aérea Ryanair pode incorrer em processo contraordenacional e num crime, se for aplicada a lei portuguesa quanto à substituição de trabalhadores grevistas, segundo especialistas em Direito do Trabalho.

Tiago Cochofel de Azevedo, advogado do escritório Vieira de Almeida, notou à agência Lusa a necessidade de definir qual a lei aplicável a este caso, que envolve uma empresa irlandesa e tripulantes de cabine com base em Portugal, que poderão ter sido substituídos durante a greve por colegas de bases internacionais. Na lei portuguesa a “substituição de grevistas, além de contraordenação muito grave, é um dos poucos crimes previstos na lei laboral, mas é crime e é punido por uma pena de multa até 120 dias”, avançou à Lusa.

Outro especialista, António Garcia Pereira referiu que a violação da proibição de substituição “constitui uma contraordenação muito grave e implica também responsabilidade de natureza criminal”. O advogado Tiago Cochofel de Azevedo frisou desconhecer os termos concretos dos contratos, mas referiu que, no âmbito da legislação comunitária, a lei que regula relações contratuais “é a escolhida pelas partes” e no caso de não haver escolha o “contrato vai ser regulado pela lei do país em que o trabalhador presta habitualmente o seu trabalho”.

Desde o início da paralisação de três dias não consecutivos que o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) denunciou que a Ryanair contactou tripulantes na Europa para a substituição dos grevistas e fez ameaças de despedimento. A transportadora aérea de baixo custo informou publicamente que iria usar “aeronaves e tripulantes” de fora do país “se necessário” para cumprir a operação durante a greve dos tripulantes de cabine com base em Portugal.

E mesmo optando por uma lei distinta do país de emprego, não se pode privar o trabalhador da “proteção que teria caso fosse aplicável a lei do seu local habitual de trabalho”, indicou. Assim, “há uma probabilidade muito séria de a lei aplicável ser a lei portuguesa” neste caso. Por seu lado, Garcia Pereira referiu que à luz dos “princípios do direito internacional privado nenhum preceito de natureza de ordem pública da lei portuguesa pode ser afastado em detrimento de uma outra lei, mesmo por convenção das partes”.

O direito à greve é um direito constitucionalmente consagrado no artigo 57º, com “eficácia direta e imediata, que vincula todas as entidades públicas e privadas” e a proibição de substituição está ainda prevista no Código de Trabalho (artigo 535º. Caso sejam violadas as regras, a responsabilidade é imputada ao empregador, tendo a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) que levantar autos contraordenacionais e remeter para o Ministério Público (MP) o acionamento da responsabilidade criminal, acrescentou o advogado.

Na quinta-feira, a ACT informou que continua a “intervenção inspetiva” à Ryanair e que esteve presente em todos os dias de greve dos tripulantes de cabine da transportadora aérea, sem sofrer restrições.

Garcia Pereira indicou ainda à Lusa que os trabalhadores “a serem constrangidos com a ameaça de um mal importante, neste caso o despedimento, para suportar uma determinada situação, isso configura a prática de um crime, que é o crime de coação previsto no artigo 154º do Código Penal”, acrescentou ainda o advogado, referindo ser este um crime público, sem necessidade de queixa das vítimas.

A Lusa questionou a PGR sobre esse assunto e aguarda resposta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ryanair pode incorrer em crime. ACT preparada para avançar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião