Facebook vai ter comissão independente para investigar efeitos das redes sociais nas eleições

Mark Zuckerberg quer conhecer melhor os efeitos das redes sociais na democracia e nas eleições. Por isso, promoveu a criação de uma comissão independente de académicos que vão investigar o assunto.

O Facebook acaba de criar uma comissão independente de investigação para “apurar os efeitos das redes sociais nas eleições e na democracia”, anunciou esta segunda-feira o presidente executivo, Mark Zuckerberg. A nova comissão vai juntar diversas instituições de renome e tem ainda como objetivo chegar a ideias que ajudem a administração da empresa a “encarar estes problemas”.

"Ao olhar para trás, fica claro que fomos demasiado lentos a identificar a interferência nas eleições em 2016.”

Mark Zuckerberg

Presidente executivo do Facebook

“Uma das minhas prioridades de topo para 2018 é garantir que o Facebook impede a interferência e desinformação nas eleições”, começou por indicar o gestor, num post partilhado na rede social. “Tenho escrito sobre alguns dos passos que estamos a dar. Desde criar novas ferramentas de inteligência artificial para apagar milhares de contas falsas, passando por verificar todos os anunciantes políticos e administradores de grandes páginas, até lançar ferramentas líderes de transparência no setor”, escreveu.

E continuou: “Hoje [segunda-feira], estamos a dar mais um passo — criar uma comissão independente de investigação eleitoral que vai investigar os efeitos das redes sociais nas eleições e na democracia. O objetivo é gerar ideias a partir de académicos de topo sobre como encarar estes problemas, assim como responsabilizar-nos por garantirmos que protegemos a integridade dessas eleições no Facebook”, explicou Mark Zuckerberg.

Esta nova entidade não será financiada pelo Facebook, de acordo com um comunicado oficial da empresa. Em vez disso, contará com financiamento de algumas fundações bem conhecidas, como a Knight Foundation, a Charles Koch Foundation ou a John and Laura Arnold Foundation. “No centro da iniciativa estará um grupo de académicos que irão: definir a agenda de investigação, solicitar propostas de investigação independente num conjunto diversificado de tópicos e gerir um processo de revisão para selecionar académicos que irão receber financiamento pelo seu trabalho, assim como aceder a conjuntos de dados privados e protegidos do Facebook que poderão analisar”, lê-se na nota.

Mark Zuckerberg aproveitou o post desta segunda-feira para voltar a fazer um mea culpa. “Ao olhar para trás, fica claro que fomos demasiado lentos a identificar a interferência nas eleições em 2016, e que temos de ser melhores em eleições futuras”, admitiu. O líder do Facebook vai esta terça-feira ao Congresso norte-americano para responder perante o Senado. Na quarta-feira, regressa ao Congresso para responder perante a Câmara dos Representantes.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook vai ter comissão independente para investigar efeitos das redes sociais nas eleições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião