Lucro da REN cai 3% para 13,1 milhões de euros

A REN viu o lucro do primeiro trimestre cair 3% para 13,1 milhões de euros. O imposto extraordinário sobre o setor energético, que este ano ascende a 25,3 milhões de euros, penalizou os resultados.

“A A REN obteve um lucro de 13,1 milhões de euros entre janeiro e março, uma queda de 3% comparativamente ao mesmo trimestre do ano passado. Os resultados da empresa foram penalizados pela manutenção do reconhecimento do imposto extraordinário sobre o setor energético, decorrente do novo quadro regulatório da eletricidade (este ano, ascende a 25,3 milhões de euros).

“O resultado líquido atingiu 13,1 milhões de euros, menos 3% que no mesmo período do ano anterior, fruto do aumento do valor das amortizações, da evolução do resultado financeiro e da manutenção do reconhecimento do imposto extraordinário sobre o setor energético”, lê-se num comunicado enviado pela REN à CMVM. A empresa melhorou ainda o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), de 123,7 milhões para 128,4 milhões de euros, uma subida de 3,8% explicada com “os resultados da Portgás, que foram de 10,9 milhões de euros.

A empresa sublinha também que a “evolução do resultado financeiro”, que caiu 1,1 milhões para 16,6 milhões de euros face ao período homólogo, “foi influenciada pelo aumento da dívida líquida, na sequência da aquisição da Portgás” por 530,3 milhões de euros. A dívida líquida da REN aumentou, assim, de 2.543,5 milhões de euros no primeiro trimestre de 2017, para 2.643,7 milhões de euros no final de março deste ano. Quanto ao investimento, a REN investiu mais neste trimestre do que em 2017. O capex da empresa subiu para 13,9 milhões de euros.

No mesmo documento, a distribuidora de energia afirma que vai apresentar esta sexta-feira, no Capital Markets Day, “o seu plano estratégico para o período” de 2018 a 2021. Já esta quinta-feira, em assembleia-geral de acionistas, a empresa “aprovou o pagamento de um dividendo de 17,1 cêntimos por ação.

(Notícia atualizada às 18h17 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da REN cai 3% para 13,1 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião