Tem um grupo no Facebook? Vai poder cobrar uma subscrição aos utilizadores

O Facebook está a testar uma funcionalidade para permitir aos administradores de grupos poderem cobrar uma subscrição mensal aos utilizadores na rede social.

O Facebook vai permitir aos administradores de certos grupos cobrarem uma subscrição mensal aos utilizadores que queiram fazer parte deles. A nova modalidade começou a ser testada em grupos de parentalidade, habitação e culinária e os administradores poderão agora cobrar entre 4,99 e 29,99 dólares por mês pelo acesso exclusivo às publicações.

Para já, a rede social não irá receber qualquer comissão. A empresa acredita, porém, que um acesso pago dá uma sensação maior de exclusividade aos membros. Por isso, mesmo os grupos que queiram permanecer de acesso livre ou por convite, terão a hipótese de criar subgrupos pagos, onde podem ser partilhados conteúdos de acesso gratuito.

Em contrapartida, a subscrição mensal poderá afastar alguns utilizadores que não estejam disponíveis para investir no acesso a conteúdos. O ato de pagar para entrar num grupo será completamente voluntário e os grupos que sejam de acesso gratuito vão continuar intactos.

“Os administradores de grupos criam comunidades seguras e apoiantes que levam as pessoas a aceder todos os dias”, começa por explicar Alex Deve, responsável do Facebook, num artigo onde explica esta nova funcionalidade. “Sabemos que esses administradores investem o seu tempo e energia para manter esses grupos e alguns disseram-nos que gostariam de ter ferramentas que os ajudassem a continuar a investir nas suas comunidades”, continua o diretor de produto do Facebook Groups.

Assim, “começamos hoje a testar as subscrições com um pequeno conjunto de grupos para ajudar os administradores a liderarem estas comunidades”, escreve Deve no mesmo artigo no blogue oficial da rede social. “À medida que formos aprendendo mais com este piloto e a perceber o que é que os membros acham das subscrições dos grupos, continuaremos a melhorar esta experiência”, conclui Alex Deve.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem um grupo no Facebook? Vai poder cobrar uma subscrição aos utilizadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião