Advogados PLMJ na Corte Internacional de Arbitragem

Pedro Metello de Nápoles e Tomás Timbane nomeados para a Corte Internacional de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional (CCI).

Pedro Metello de Nápoles, sócio coordenador da PLMJ Arbitragem, acaba de ser nomeado Membro representante de Portugal na Corte Internacional de Arbitragem da CCI, com efeitos a partir de 1 de julho do corrente ano. Pela primeira vez a CCI decidiu nomear um «alternate member» português, tendo sido nomeada Marta Almeida, Head of Litigation, da GALP.

Tomás Timbane, sócio responsável pela TTA Advogados (Moçambique), Sócio de PLMJ International Legal Network e de PLMJ Arbitragem, foi reconduzido como membro da Corte para mais um mandato. Tomás Timbane havia sido nomeado no mandato anterior da Corte, a primeira vez que foi nomeado um representante de um País Africano de língua oficial Portuguesa.

A ICC é a principal instituição de administração de arbitragens mundial, e a Corte é o órgão que exerce um conjunto de funções de supervisão sobre as arbitragens conduzidas de acordo com as regras da CCI, incluindo o escrutínio de sentenças arbitrais. Para o triénio 2018-2021 foram nomeados 176 membros de 104 países diferentes, sendo 88 mulheres e 88 homens.

Para Pedro Metello de Nápoles: “É uma enorme honra e um privilégio servir a arbitragem internacional enquanto membro da Corte Internacional de Arbitragem da Câmara de Comércio Internacional, bem como promovendo as actividades da CCI em Portugal. É importante destacar que a nomeação de dois membros portugueses para a Corte traduz o reconhecimento da crescente importância da arbitragem portuguesa e em língua portuguesa, para cujo sucesso tem sido fundamental a actividade de juristas nacionais.”

Já José Miguel Júdice, que foi durante seis anos membro da Corte, saudou estas nomeações que honram PLMJ Arbitragem, afirmando que “Pedro Metello de Nápoles, tem um perfil extremamente adequado para esta enorme responsabilidade, sendo atualmente, um dos mais respeitados especialistas em arbitragem, a trabalhar em Portugal, como advogado e como árbitro. E o mesmo acontece com o bastonário Tomás Timbane a nível africano”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advogados PLMJ na Corte Internacional de Arbitragem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião