Nos vê massificação do 5G a partir de 2025

A operadora liderada por Miguel Almeida acredita que o 5G só "terá maior utilização" a partir da segunda metade da próxima década. Mas já se está a preparar para isso.

A Nos acredita que o 5G só “terá maior utilização” a partir de 2025, mas a empresa já está a pavimentar caminho em direção à quinta geração de rede móvel. À semelhança das concorrentes Altice e Vodafone, a operadora também promoveu um evento na sua sede na manhã desta quarta-feira. E aproveitou a ocasião para mostrar algumas das aplicações e o potencial da tecnologia.

Manuel Ramalho Eanes, administrador da operadora, sublinhou que “a Nos está a acompanhar de perto” o desenvolvimento do 5G, que trará “baixas latências” e “velocidades de 10 Gbps”, muito superiores às atuais. Contudo, é algo que não é para já. “Acreditamos que o 5G terá maior utilização a partir de 2025”, afirmou o gestor.

Na sede da Nos NOS 0,49% esteve a Nokia, parceira da operadora portuguesa. As soluções apresentadas mostraram como a redução da latência entre os aparelhos e a rede pode criar margem para um novo leque de possibilidades. Carros autónomos serão capazes de comunicar entre si e travar quase instantaneamente perante um obstáculo, evitando acidentes. Robôs vão ser capazes de colaborar. Haverá largura de banda para transmitir vídeo em direto, em 360 graus e alta qualidade de imagem, para quem tenha óculos de realidade virtual em casa. Óculos esses que não vão mais precisar de fios.

“Esta evolução é absolutamente inevitável”, afirmou por sua vez Jorge Graça, administrador da Nos. O gestor apontou para uma lista de três is: imersão, imensidão e instantaneidade. O 5G vai proporcionar experiências mais imersivas, num cenário de maior imensidão de informação e em que a comunicação se quer instantânea. A latência pode chegar aos 5 ms (milissegundos), contra os 20-50 ms numa rede 4G. “A velocidade da luz já nem chega para aquilo que queremos fazer”, garantiu.

Questionado pelos jornalistas sobre o investimento que a Nos antecipa fazer no 5G, Jorge Graça não quis avançar um valor. “É difícil pôr um número naquilo que será o investimento do 5G”, disse.

Uma questão geopolítica

Segundo Jorge Graça, a transição para o 5G na Europa é também uma questão “geopolítica”. O 5G é visto como um enabler que vai aumentar a autonomia nas várias indústrias e reduzir significativamente os custos. E é algo em que os Estados Unidos e a China estão a apostar. Por isso, a União Europeia não pode ficar para trás.

“É um tema quase de geopolítica e equilíbrio. Os Estados Unidos vão fazer isto. Este enabler vai ser posto à disposição do mercado norte-americano e na China também”, notou o administrador da Nos. “O que vamos ter pela frente são duas bases tecnológicas com este enabler disponível, a fazer a sua evolução por cima dessa base”, disse.

[O 5G] é um tema quase de geopolítica e equilíbrio. Os Estados Unidos vão fazer isto. Este enabler vai ser posto à disposição do mercado norte-americano e na China também.

Jorge Graça

Administrador executivo da Nos

Tudo isto é uma forma de dizer que as empresas europeias vão precisar desta nova infraestrutura de rede para continuarem competitivas. No evento, a Nos mostrou como um operador de uma fábrica pode operar um robô à distância com um comando em cada mão e uns óculos de realidade virtual na cabeça. O caso de estudo foi desenvolvido pela Nokia, em conjunto com a Mercedes.

A apresentação da Nos acontece um dia depois de a Anacom anunciar o plano para a libertação da faixa do espetro que corresponde aos 700 MHz. Esta será a banda na qual funcionará a rede, segundo os padrões internacionais que ainda estão a ser definidos. Atualmente, em Portugal, essa frequência encontra-se ocupada pela Televisão Digital Terrestre (TDT), pelo que irá arrancar, no último trimestre de 2019, um processo de transição desse serviço para outra faixa.

Como o ECO explicou esta terça-feira, a transição da TDT para outra faixa do espetro eletromagnético vai implicar uma nova sintonização dos equipamentos recetores nas casas de todos os utilizadores portugueses.

Cotação das ações da Nos na bolsa de Lisboa

Comentários ({{ total }})

Nos vê massificação do 5G a partir de 2025

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião