Credores do Banif têm até ao início de agosto para reclamar créditos

  • Rita Atalaia e Lusa
  • 20 Julho 2018

Depois de o BdP ter dado início à liquidação do Banif há cerca de um mês, a CMVM vem agora informar que os credores têm 30 dias para reclamar os créditos.

Os credores do Banif têm até ao início do mês de agosto para reclamar os créditos do banco, de acordo com a decisão do tribunal divulgada esta sexta-feira pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). Isto depois de o Banco de Portugal ter dado início à liquidação da instituição financeira há cerca de um mês e de o Banco Central Europeu ter revogado a autorização do banco para o exercício da atividade.

“A reclamação de créditos deverá ser apresentada ou remetida por via postal registada mediante requerimento dirigido à Comissão Liquidatária do Banif, com domicílio profissional na Av. Liberdade, 230 – 230 A, 6º Andar, 1250-148 Lisboa, no prazo máximo de 30 dias corridos, contados após éditos de 5 dias“, de acordo com um comunicado divulgado pela CMVM. Ou seja, têm até 9 de agosto para reclamar estes créditos, disse à Lusa fonte ligada ao processo.

A CMVM indica ainda que a reclamação de créditos deve ser apresentada ou remetida via correio registado para a Comissão Liquidatária do Banif, com morada na Avenida da Liberdade, 230 – 230 A, 6.º Andar, 1250-148 Lisboa. Os credores devem fazer seguir o pedido de reclamação de créditos com os respetivos documentos que os comprovem.

Em junho, o Banco de Portugal pediu a liquidação judicial do Banco Internacional do Funchal (Banif), na sequência da revogação pelo Banco Central Europeu (BCE) da autorização para o exercício da atividade, o que levou o tribunal a decidir, no princípio de julho, o início do processo de liquidação, a nomear a comissão liquidatária (constituída por José Manuel Bracinha Vieira, Carla Sofia Rebelo e João Luís Figueira) e a fixar um prazo para a reclamação de créditos.

Passaram dois anos e meio desde que o supervisor liderado por Carlos Costa decidiu a resolução do grupo Banif e a divisão do banco por três entidades: o Santander Totta, Oitante e Banif. No caso do Banif, após a divisão do grupo, reunia um conjunto de ativos, passivos e elementos extrapatrimoniais ligados a entidades do próprio grupo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Credores do Banif têm até ao início de agosto para reclamar créditos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião